10.9.10

Para-orgasmo: Aprendendo a Sustentar o Estado de Ser Feliz

Por Dr. Fernando Salvino - Parapsicólogo

Todos estamos neste barco: o barco da Vida. Navegamos pelo Oceano cósmico da existência Infinita e este barco é vida. Falo aqui do planeta. Do ser vivo gigantesco chamado Terra. Este organismo vivo donde somos como bactérias habitantes de seu corpo; donde este corpo desconhece nossa existência, tal como as bactérias desconhecem habitar nosso corpo. E neste grande corpo, vivemos, atravessamos vidas e vidas, buscando aquele estado tão prazeroso: FELICIDADE. A foto ao lado de é Osho, o pensador indiano famoso pela característica orgástica de ser e estar em sua passagem pelo planeta.

O que é a felicidade?

Como definir o indefinível? Aqui é minha tentativa de tentar falar acerca de um sentimento existencial de dificílima definição. Começo pela definição que, conforme é o método que uso, parte de minha experiência em vivenciar a felicidade. Felicidade é um estado de consciência; um estado de espírito. O que é um estado de espírito, ou de consciência? É um momentum, uma passagem, um instante que dura um determinado tempo variável, cujas sensações se alteram para um nível de prazer intenso, porém sensato e lúcido. Poderia definir a felicidade como um estado de lucidez de espírito. Ou ainda, sendo mais preciso, a felicidade não é um substantivo, algo, ou uma coisa. Feliz é a palavra certa e não Felicidade. Assim, Ser Feliz é um momento em que eu, você nos sentimos num estado orgástico, de intenso prazer e realização íntima, cuja consciência se encontra diluida no sentimento pleno de ser feliz, nada mais que isso.

O estado de ser feliz é estar em orgasmo existencial, espiritual

A definição acima me parece bastante precisa. O estado de ser feliz é uma EXPERIÊNCIA EXISTENCIAL. Eu, você, como que subíssemos numa prancha de surf, ultrapassamos a zona de arrebentação em remadas e remadas e num dado momento, descemos aquela onde de prazer, num pico de felicidade e satisfação. A metáfora parece-me interessante. Uma onda é um fluxo. O estado de ser feliz geralmente tem um tempo determinado, como tem uma onda surfada. Nós surfistas sabemos que o tempo é curto e o prazer efêmero, mas mesmo assim todo o esforço é dedicado para a vivência daquela experiência orgástica: surfing.

O estado de ser feliz é como um surfing, eu, você, surfamos a onda de sentimento existencial de prazer e orgasmos de felicidade. Antes de surfar a onda, muito esforço fora dedicado para tal.

Outro modo de dizer é comparar o estado de ser feliz com o orgasmo sexual. Se você, homem ou mulher, nunca sentiu o orgasmo sexual, faça de tudo para tal. O orgasmo é o estado de consciência, alterada por natureza, onde expressa a capacidade do homem ou mulher para a entrega ao Amor. As sensações psico-bio-energéticas-corporais do orgasmo sexual possuem relação direta com o orgasmo da felicidade.

Desta forma, o para-orgasmo ou o estado de ser feliz encontra seu auge numa existência regada de sentido, plenitude, coerência interna e cósmica, autorealização nos relacionamentos e objetivos de vida sempre em evolução, numa existência onde existe a comunhão de uma vida a dois saudável, sexual e afetivamente construitiva e sincera, ancorada no Amor puro ou mais próximo desta natureza.

Para-orgasmo: o que é?

Esta palavra retrata um nível de prazer profundo, espiritual, existencial. Talvez seja aquilo que o vedanta chamou de Nirvana. Considero aqui sinônimo. O para-orgasmo é o estado existencial de autorealização e prazer de viver intraduzível em palavras e geralmente vivenciado a partir de curtos momentos, ou momentos de pico. É o que todos buscamos. É aquilo que caracteriza o que Kardec chamou de "Espírito Puro" que vive num Nirvana, num Para-orgasmo permanente.

Qual o objetivo da vida humana?

Aprendermos a sustentar, vivenciar organicamente o Estado de Ser Feliz. Expandir os períodos de tempo, mantermo-nos neste estado durante maior período de tempo, sustentando um modo de vida coerente com a existência interna e com a existência cósmica. E isto alcançamos quando começamos a ser quem somos. Aprendendo a lidar com as emoções, com as oscilações de humor, com as depressões e euforias, gerenciando a si mesmo com lucidez.

Não importa sua religião, sua doutrina, seu Deus, sua ciência. Temos em comum, eu e você, o desejo de estarmos felizes, realizados. Jesus Cristo não era cristão, Buda não era budista, Lao Tzu não era taoista, Confúcio não era confucionista... Eles eram eles mesmos. Este é o recado: seja você mesmo em todo seu potencial. Foi isto que Cristo disse, Buda, Lao Tzu, Confúcio e tantos outros. Outro dia recebi um e-mail de uma pessoa me perguntando porque Waldo Vieira me considera um maxidissidente da Conscienciologia. Eu respondi, em outras palavras, que o que não posso ser é um maxidissidente de mim mesmo. Entre eu e uma doutrina, opto por continuar a ser quem sou no meu processo permanente de tornar-me e tornar-me. Isto aprendi com Carl Rogers... a vida é uma experiência de tornar-se.

Assim, o objetivo da vida humana é te fornecer o ambiente apropriado para você ser quem você é. É fácil? Não. Mas mais difícil é ser aquilo que não é você. Então, é fácil. Difícil é suprir as expectativas dos pais, dos amigos, dos professores, da sociedade. Fácil é ser simplesmente quem você é. Mas obviamente, você poderá me dizer: mas é dificil ser quem eu sou. E digo, é. Mas é mais fácil ser quem você é do que ser qualquer outra coisa, justamente porque por mais que tente não poderá escapar de sua própria natureza interna, seu DNA espiritual, seu código espiritual que contém a informação espiritogenética, quando você surge no Universo como Ser.

A pedaginha da existência me parece esta: você não tem para onde fugir. Onde você estiver, você estará lá. Você pode tentar fugir e ainda assim terá somente a ilusão de que fugiu. Pode usar drogas, pode usar psicotrópicos, pode tentar sair do corpo, pode tentar o que for, esconder-se numa relação insatisfatória, mas digo, você nunca conseguirá sugir de si mesmo, por mais que tente.

Então, ao invés de fugirmos de nós mesmos, o mais lúcido é tentarmos aprender a sustentar o estado de ser feliz, os pequenos momentos de felicidade, aqueles picos raros em sua vida. Tente extender o tempo, surfar um pouco mais... claro, a onda vai acabar, mas você pode permanecer até o fim da onda ao invés de sair antes dela.

Sustente a si mesmo.

Para ser quem você é, você precisa aprender a se sustentar. Sustentar-se não é somente ganhar seu pão todos os dias no esforço de seu trabalho. Sustentar-se é SER QUEM VOCÊ É. É bancar aquilo que sente, é encarar-se sem medo, é vencer a si mesmo todos os dias.

O estado de ser feliz é um sintoma de você ser quem você é.

Para você ser quem você é você precisa lançar-se no mundo interior, como um navegador lança-se no oceano. Você se descobre alguem diferente dos demais, único. Você se descobre alguem que possui algo a dar ao mundo que expressa a sua natureza espiritogenética.

Eis aqui a chave para o entendimento da Missão de Vida.

A missão de vida não é um comando militar que Deus te mandou executar. Missão de vida é você cumprir seu papel destinado no Universo, que só cabe a você realizar. Este papel não é um teatro: o papel é você aprender a ser quem você é e ser quem você é. O resto tudo vem por consequencia natural, você compreender gradualmente o fluxo do universo e segue suas leis naturais, e se entrega ao fluxo e gradualmente vai confiando na vida, a cada passo firme dado no Caminho.

Agora é com você. A maneira como fará este caminho e como desvendará seu universo interior depende de seus gostos, preferências. Se for Budista, entregue-se neste método. Se for Taoista, idem. Se não for religioso, entregue-se a si mesmo, faça de você mesmo sua Igreja e de seu próprio modo de pensar a vida sua religião. O que importa no saldo final é que todos estamos caminhando para o mesmo lugar e todos os caminhos nos levam para este destino. O nome deste destino, você escolhe. Como disse Lao Tzu:

"Existe uma realidade inominável e icomensurável que se pudesse dar-lhe um nome, chamaria Tao" Lao Tzu.

É para o Tao que estamos todos caminhando. O Tao é o futuro? Não, o Tao está aqui e agora, dentro e fora de nós. O Tao está no esterco, como diz o koan zen.

Não siga os mestres. Siga a si mesmo, em primeiro lugar. Não siga nada que escrevi, siga suas idéias. Confie em si mesmo. Não siga uma doutrina. Não seja cristão, budista, taoista. Seja antes de tudo, você mesmo, livre para ser, livre para pensar, livre para agir e viver. Se, sendo você mesmo esta ou aquela religião te atrai, te sintoniza com ela, ótimo. Se sendo você mesmo esta ciência ou aquela é bom para você, excelente, vá, entregue-se. Caso contrário, não meça esforços, continue a ser quem você é, respeite-se, não se traia. Largue aquilo que não te serve, sem culpa. Siga seus anseios profundos e confie no Universo. Você é o responsável por trilhar seu próprio caminho de vida e por descobrir-se.

Libertar-se, este é seu e o meu objetivo.

O destino daquele que se liberta chama-se moksha, ou o fim dos ciclos de morte e renascimento.

0 comentários:

Postar um comentário

Caro(a) leitor(a), seu comentário é bem vindo!