Terapia de Vidas Passadas e Pesquisa Científica da Retrocognição

Acesse meus ensaios sobre minhas experiências retrocognitivas, de terceiros e implicações científicas.

Conscienciologia, Projeciologia, Experiência fora do Corpo, Projeção Lúcida (Astral)

Acesse meus ensaios sobre minhas primeiras experiências extracorpóreas ainda no útero de minha mãe até minha idade atual.

Holocosmologia, Samadhiologia (Serenologia), Função psi-ómicron, Yôga, Tao, Meditação

Acesse meus ensaios sobre a Holociência e o método para o acesso holocósmico.

Ufologia Avançada, Parapsicologia Experimental (psi-ómicron) e Autoexperimentação Parapsíquica

Acesse meus ensaios sobre a correlação entre os fenômenos psi-ómicron, a Ufologia Avançada e experimentação direta.

19.12.18

18.12.18

Espelho do Tao

I

Quando conhecimento se torna uma arma
O conhecedor se torna um tolo
E todo tolo caminha vagando por estradas firmes
O que é firme se segura
Mas cai diante do que é flexível
O flexível estica e estica até arrebentar
O firme enrijesse e enrijesse até ruir
Ambos, firme e flexível são o mesmo
Porém suas faces são vistas de pontos diferentes
O que não é mesmo, é o que não existe
O que não existe é o que serve para não se mover
O que não se move produz o movimento
E perpetua sem nascer e morrer
A isso chamamos essência.
Imortalidade.

II

A sabedoria é a sedução do tolo
O poder é a sedução do cego
A visão é a sedução do pregador
Sabedoria, poder e visão
Quando possuídas escorrem pelas mãos
E escapam como camundongos fugindo de veneno
É por isso que o sábio disse:
Só aquele que não mais deseja adquire o poder, a visão e a sabedoria
Assim tem-se extinta definitivamente a vaidade.
E com ela, as vidas sucessivas.

III

O vaidoso corre atrás da sombra de seu próprio eu.
Quando encontra o que deseja
Segura
Quando segura
Perde
Quando perde
Lamenta
Quando lamenta
Corre atrás
E assim, permanece tolo.

IV

O vaidoso, o tolo e o rude
São faces de um mesmo espírito
A vaidade pesa
A tolice cega
A rudeza seca
Peso, cegueira e secura
Quem pode assim viver serenamente?

V

A morte para o que deseja possuir é como um monte de esterco
Quando o possuidor deseja possuir
Significa que deseja a eternidade
Ao desejar a eternidade através do possuído
Vê no esterco o seu próprio espelho
A morte para o possuidor
É o mesmo que tornar-se esterco
E a vida para o possuidor
É o mesmo que se tornar o possuído
Nisso repousa toda sua a dor e ignorância

VI

Por esta razão o sábio vive nos espaços que ninguém deseja ocupar
Por isso nada falta a ele.
Move-se de forma invisível,
Somente seu corpo pode ser visto
Mas a vastidão de seu espírito caminha na solidão.
Raros são aqueles que desejam realmente conhecer um sábio
Os espelhos do Tao
E quando os sábios nos vêem,
Quanta sabedoria para aceitar tamanha ignorância!