Terapia de Vidas Passadas e Pesquisa Científica da Retrocognição

Acesse meus ensaios sobre minhas experiências retrocognitivas, de terceiros e implicações científicas.

Conscienciologia, Projeciologia, Experiência fora do Corpo, Projeção Lúcida (Astral)

Acesse meus ensaios sobre minhas primeiras experiências extracorpóreas ainda no útero de minha mãe até minha idade atual.

Holocosmologia, Samadhiologia (Serenologia), Função psi-ómicron, Yôga, Tao, Meditação

Acesse meus ensaios sobre a Holociência e o método para o acesso holocósmico.

Ufologia Avançada, Parapsicologia Experimental (psi-ómicron) e Autoexperimentação Parapsíquica

Acesse meus ensaios sobre a correlação entre os fenômenos psi-ómicron, a Ufologia Avançada e experimentação direta.

28.4.10

Evolução Espiritual e Reprogramação Mental

Por Dr. Fernando Salvino - Parapsicólogo

Faça uma experiência: pegue um cubo de gelo e deixe fora da geladeira. E o que ocorre? O gelo quase que por um milagre, passa por mudanças físicas e de sólido passa a líquido. Mas, se você observar bem o gelo, verá que sobe uma espécie de vapor. O gelo transforma-se de sólido diretamente para gás. E tudo isto é água: água em seus diversos estados físicos da matéria.

Faça outra experiência: coloque água líquida diretamente numa panela e leve ao fogo. Mas faça diferente desta vez: observe cientificamente o que ocorre. Verá que a água, antes fria, esquenta sob ação do fogo e aumentando sua temperatura, esquenta a uma temperatura alta e começa a ferver. Espere até a panela secar e verá quase outro milagre: a água líquida desapareceu por completo da panela. Praticamente se desmaterializou na sua frente! O sólido passa a líquido, o líquido passa a gás, o gás volta a ser líquido (chuva) e o líquido volta a ser sólido (gelo). A água é uma substância mutante por natureza. Mas onde quero chegar com esta reflexão aparentemente sem sentido algum?

Você é como a água que modifica seus estados. Mas você não é nenhum destes estados.

Imagine que você é como a água. Mas uma água diferente: uma substância espiritual volátil, mutante tal como a água. E, como a água, também oscila em seus diversos estados. Você também tem seus dias sólidos, líquidos e gasosos. Tem dias que está fora do ar (estado gasoso) em depressão; sólida e fria como gelo e derrete-se emocionalmente ao receber as boas notícias de seu filho ou aquele telefonema daquele amigo que tanto não entrava em contato. Mas após derreter-se de emoções, chega o carteiro e deixa uma conta alta para você pagar, e você imediatamente, ferve por dentro e passa ao estado gasoso. Após esta fervura, você se condensa no céu de seu espírito como a água condensa na forma de nuvens e, carrega suas nuvens espirituais e passa ao estado líquido, chorando de medo de não ter condições de pagar tal e tal dívida, ou resolver tal e tal problema. Em seguida chega seu(sua) companheiro(a) e lhe dá o amparo e você de liquido e gasoso passa ao estado mais sólido, voltando a se recompor na forma física mais visível, como o gelo.

Eu e você não somos nenhum destes estados emocionais sólidos, líquidos ou gasosos do nosso espírito, do nosso Eu. Eu e você somos como a água que se transforma num e noutro estado. Mas na essência, não somos nenhum dos estados. Não somos o sólido, mas podemos estar sólidos. Não somos o líquido, mas podemos estar líquido. Não somos o gasoso, mas podemos nos manifestar como gás. Este é o aparente mistério de todas as investigações mais avançadas do espírito. A morte, então, é somente uma mudança de estado de Espírito, como a água que se transforma em gás, o espírito sólido (corporal) volta a compor a atmosfera espiritual do éter cósmico. Os estados emocionais que tanto amedronta as pessoas atualmente são somente alterações de estado do Espírito. Oscilações de estado, como a água oscila o tempo todo entre os estados líquido, gasoso e sólido. Todos os nossos estados de Espírito que se expressam por alegria, depressão, melancolia, euforia, felicidade, estresse, paz, serenidade, medo, pânico, os ampliados de consciência (estados paranormais) e outros, são todos eles estados passageiros de Espírito. E por serem passageiros, são mutáveis como a água. Se queremos mudar o estado da água de líquido para sólido, temos a possibilidade de acelerar este processo colocando-a no congelador. Se queremos acelerar o vapor, colocamos a água sob ação do fogo ou microondas, aumentando a velocidade da vaporização. Assim ocorre com o Espírito.
A Reprogramação Mental faz com que você pode modificar seu Estado de Espírito.

Um dos procedimentos de aceleração de mudança de Estado de Espírito é chamado de Reprogramação Mental. Vamos continuar o raciocínio. Os estados de Espírito que citei acima, todos eles são estados de psicotranse. O psicotranse é um estado específico da mente que a pessoa fica mergulhada no medo, na depressão, etc. Ela está, tecnicamente falando, em estado de hipnose. A mente sob hipnose encontra-se num estado específico, tal como a água pode encontrar-se sob a forma de líquido, sólido ou gasoso. A reprogramação mental atua na mente exatamente no estado de psicotranse, estado em que a pessoa se encontra e potencializa os pensamentos e emoções autodestrutivas. Por outro lado, ao induzirmos o estado hipnótico consciente ou a pessoa mesma auto-induzir (procedimento que ela faz todos os dias, ao programar seu dia ou para ver esta ou aquela novela na TV), a reprogramação mental visa à troca de estado de Espírito. É possível pela reprogramação mental a troca imediata de estado de Espírito, do estado depressivo para um estado de maior tranqüilidade. De um estado de medo, para um estado de maior segurança. Esta alteração se dá pelo controle criativo do fluxo de pensamentos e pelo autodomínio das imagens mentais. Isto possibilita que uma pessoa saia de um grave estado depressivo em pouco tempo. Para isto, é necessário que ela entenda que ela não tem depressão e nem é a depressão. A pessoa necessita compreender que a depressão é um estado de seu Espírito e, por ser um estado, pode ser alterado a qualquer momento por uma modificação consciente e lúcida, autodirigida, dos pensamentos.

O que são pensamentos? São o "sangue" que flui no seu corpo mental.

O que são, pois, os pensamentos? Faça, pois mais uma experiência científica com você mesmo:

1) Sente-se confortavelmente e relaxe seu corpo, respirando de 3 a 6 vezes muito lenta e profundamente.

2) Agora preste atenção somente no espaço mental onde fluem os pensamentos. Torne-se observador dos pensamentos. Quando um ou mais pensamentos “agarrarem” sua consciência, volte a observá-los. Perceba que você não é o fluxo de pensamentos, já que pode observá-los.

3) Agora, repita 3 vezes, mentalmente em silêncio o seu próprio nome, por exemplo: Fernando......... Fernando......... Fernando......... E procure identificar de onde vem a voz da sua mente. Não racionalize nem crie hipóteses precipitadas. Identifique de onde vem a voz da mente que repete o seu nome. Se quiser, repita mais vezes.

4) Agora que sabe, mais ou menos, de onde vem a voz de seus pensamentos e sabe, que você não é o fluxo de pensamentos, comece a criar pensamentos benignos para seu Espírito.

5) Ainda em silêncio, crie pensamentos como estes: eu mereço ser feliz; eu sou merecedor de amor; eu posso; eu consigo; eu mereço; eu gosto de mim; e assim por diante. Você pode escrever os pensamentos ou pesquisar algumas frases que combinam com você. Pensamentos saudáveis que mudarão o seu estado de Espírito.

Este exercício praticado com regularidade, gera o autodomínio dos pensamentos, o controle do caos mental. Agora vou falar um pouco sobre o espaço que chamamos “mente”.

O que é a mente?

A mente é chamada por muitos cientistas de cérebro. Mas aqui não vamos chamar assim não. No experiência científica acima, você provavelmente não sabe de onde provém seus próprios pensamentos e também não tem certeza de que é do cérebro. Como o cérebro poderia ter voz própria? Bom contuamos.... A mente é como um corpo. Um corpo diferente, um corpo de pensamentos. E este “corpo de pensamentos” pode ser alterado com exercícios, como o corpo físico pode ser alterado com ginástica ou sedentarismo. O sedentarismo mental cria um “corpo mental” sólido (rígido). A pessoa que não cultiva pensamentos próprios a respeito de si mesma e da vida, enrijece seu corpo mental, como um rio viciado nos mesmos movimentos. O enrijecimento do corpo mental é provocado pelas “crenças”. Tudo o que pensamos no pa ssado e ainda continuamos a pensar é o que forma o “corpo mental”. E estes pensamentos na maioria deles formam nosso sistema de crenças. Todas as nossas crenças. As crenças que temos de nós mesmos e das outras coisas. Quanto mais sólidas as crenças, mais rígidas e inflexíveis, mais teremos dificuldades de mudar de estado mental e, portando, de estado emocional. Por outro lado, quando temos sistemas de crenças flexíveis e fluidos como a água e o vapor, temos mais facilidade de mudar de estado mental e emocional.

O primeiro passo para uma boa Reprogramação Mental...

O primeiro passo para uma boa reprogramação mental, é o autoconhecimento de nossos próprios pensamentos. Os pensamentos são como o sangue que flui no corpo. Os pensamentos são o sangue do corpo mental. O sangue necessita fluir para que o corpo tenha saúde. Assim os pensamentos: precisa ser fluidos e flexíveis para que o corpo mental tenha saúde.

Faça outra experiência científica. Entre em estado meditativo neste momento. Pare, respire e relaxe seu corpo. Preste atenção aos pensamentos e observe como eles são. De que tipos são, a qualidade e a quantidade que pulsam na mente. Vai prestando atenção e se conseguir, vai anotando num papel os tipos e a qualidade (se pensamentos amparadores ou obsessivos). Investigue você mesmo. Comece a conhecer, investigar seus pensamentos e vai percebendo como eles dominam seu estado emocional. Perceba também a quantidade de pensamentos que você cria o tempo todo e que fluem em sua mente. Afaste-se novamente do fluxo de pensamentos, e perceba-se como a consciência que observa-os. Observe agora as crenças que você alimenta em relação a você mesmo e ao mundo. Anote tudo com o máximo de precisão. E a pós o experimento científico, analise tudo. E não ficará surpreso se perceber os absurdos que anda pensando. Você pode fazer outra lista agora. A lista dos pensamentos que deseja começar a nutrir seu corpo mental. Os pensamentos novos são como a comida do corpo mental, são como as vitaminas do corpo físico. Você pode também exercitar sua mente, com exercícios como o famoso Sudoku, exercitando seu pensamento lógico e sistêmico, desobstruindo a mente e conseqüentemente, o cérebro.

Tenho tido experiências muito positivas com a reprogramação mental e há anos ela me acompanha como a respiração, caminhar ou comer. Muitos pacientes tem se beneficiado deste recurso visando restabelecer o autodomínio e a segurança e autoconfiança. Todos os dias, antes de começar meu dia, eu reprogramo minha mente. Se tive um sonho ruim, eu reprogramo a mente. Se tive um sonho bom, eu alimento bons pensamentos.

A base de toda Reprogramação Mental efizar é a prática de pensamentos de gratidão.

A base de toda eficaz reprogramação mental é a prática de pensamentos de gratidão. Desde pequeno e há muitas vidas estamos alimentando padrões de ingratidão. Comece com pensamentos simples: agradeça por estar vivo, por ter tudo o que tem e pelas experiências que teve, tem e ainda terá para evoluir. Uma das autoras mais importantes da área das ciências da mente é Louise Hay e termino citando a sua frase:
“A gratidão abre o caminho para que o bem entre cada vez mais em sua vida”. 

24.4.10

Hipnose: Um Estado Natural de Psicotranse.

Por Dr. Fernando Salvino - Parapsicólogo Clínico


O que é Hipnose? Muito se tem mistificado em torno do tema e quero trazer aqui a concepção trabalhada de forma magistral pelo Dr. Eliezer Mendes, fundador da Parapsicologia Clínica.

Para Eliezer, a Hipnose está além dos procedimentos grosseiros dos pêndulos e das técnicas usadas nos anos 1800 e divulgadas pelos iniciadores da Psicanálise, inclusive Dr. Sigmund Freud e Dr. Josef Breuer, que usavam a Hipnose para induzir estados de regressão à vida atual, principalmente na infância. A Hipnose de pêndulo ou aquela gritaria de deixar a pessoa paralisada, etc.  Está além também dos procedimentos de lavagem cerebral realizadas por muitos que adentram neste território. Está além dos estalidos de dedos, das contagens verbais. Hipnose é um tipo de relação, melhor dizendo, toda relação tem uma pitada de Hipnose. Onde há relacionamento há tentativas e tentativas de sugestões, concentração e percepção de alteração do tempo. Muitos experimentam níveis de concentração nos estudos, por exemplo, onde perdem as noções de ambiente externo, permanecendo por horas a fio noutra noção de tempo e espaço. Isto é estar em Hipnose. Ficar horas e horas diante da TV, assistindo novelas e novelas, em alta concentração a ponto de não ouvir o que ocorre no ambiente externo, é estar em Hipnose. Um professor de Projeciologia, orientando os alunos nas técnicas energéticas induz estado de Hipnose. Um professor numa aula, quando bate o giz no quadro ou o apagador e gera o estalido do som abrupto, coloca os alunos todos em Hipnose. Você coloca seu filho em Hipnose quando lhe diz fortemente: "Tire a mão daí!!!". A energia associada ao som diretivo e o comando claro e objetivo levam a criança ao estado imediato de Hipnose. Por isto é comum dizermos que, um trauma originado em estado de Hipnose é mais fácil de ser trabalhado em estado de Hipnose. De uma forma simples, Hipnose em geral é um transe consciente e caracteriza-se pela atenção focada num único objeto, cujas situações extrernas tornam-se em segundo plano ou em casos mais profundos, somem por completo. Assim, coloco a Hipnose num local muito além das demonstrações de palco, onde pessoas perdem sas noções de si mesmas e fazem o que os Hipnólogos programam em suas mentes. Por mais estranho que pareça, inclusive as práticas Psicanalíticas, onde o paciente deita no divã e divaga, divaga, divaga a respeito de si, em certas circustâncias, o paciente pode entrar num psicotranse (auto-Hipnose) devido ao relaxamento corporal possibilitado pelo divã e ao monólogo que acaba atuando como espécie de mantra. Porque muitos Psicanalistas dormem quando um paciente divaga no divã? O Psicanalista entra em Hipnose; o paciente age como Hipnólogo. Obviamente que ocorre isto, visto ser necessário que o Psicanalista preste acurada atenção na fala do paciente, o que torna-se possível que paciente acabe agindo como verdadeiro Hipnólogo, pegando de surpresa os Psicanalistas menos preparados e desconhecedores do fenômeno.

A Hipnose é o fenômeno que atravessa qualquer relação interpessoal. Bastam existir duas pessoas e ambas concentradas uma na outra, pronto: pode ocorrer Hipnose. Basta que exista um Outro, qualquer objeto, para existir Hipnose. Uma pessoa parada, olhando o movimento da chama de uma fogueira ou de uma vela, pode entrar em Hipnose. Uma meditação, uma repetição de mantras, orações na missa com tom repetitivo, monólogo, é Hipnose. Um crente com suas contas, uma a uma, rezando o Pai Nosso dezenas de vezes, pode entrar facilmente no Psicotranse auto-Hipnótico. O padre faz Hipnose na missa, com as repetições monotônicas de sua fala, que age como mantra, Hipnotizando a platéia e gerando relaxamento nas pessoas. O monge orienta a auto-Hipnose nos mantras e nas orações. Hipnose é um estado modificado de consciência, caracterizado por um tipo específico de concentração e desligamento das coisas externas. Nada há de místico ou perigoso na Hipnose, pois ela é um estado natural da mente, usada e direcionada pela intenção das pessoas (ética). Vejamos as crianças, elas vivem praticamente o tempo todo em Hipnose. Pais se estressam com seus filhos porque eles parecem não escutar o que eles dizem. O que ocorre é que seu filho está em Hipnose, desligado do ambiente e concentrado em seus interesses.

No estado de consciência hipnótica é possível adentrarmos no campo de outros fenômenos, como a Retrocognição ou Precognição, ou ainda, induzir o fenômeno da Experiência fora do Corpo, a Transidentificação e mesmo o Mediunismo.

Em síntese, a Hipnose é um Estado de Psicotranse. Um Estado Modificado de Consciência, natural e praticado na ampla gama de setores de nossa vida, tão natural como comer, beber ou caminhar.

20.4.10

Psicoterapia pela Web é possível?

Por Dr. Fernando Salvino - Parapsicólogo ClínicoA pergunta é polêmica e honestamente estou por fora do que os pesquisadores da Psicoterapia a Distância dizem a respeito. Também desconheço a prática de tal método do ponto de vista dos Psicoterapeutas. Por outro lado, conheço bem como funciona a Educação a Distância. Então é a partir da EAD que chegarei na possibilidade prática e teórica da uma PAD - Psicoterapia a Distância.

A EAD é prática antiga e parece que inicia com os intercâmbios entre culturas, entre mensagens levadas e repassadas verbalmente até os papiros no Egito, posteriormente, pelo papel; até o surgimento técnico da corresponência como método de aprendizagem a distância. A correspondência serviu a cientistas para trocarem idéias, teorias e mesmo angústias a respeito da vida. Cartas e mais cartas eram trocadas entre Sigmund Freud e Fliss, trocas profundas que se caracteriza como uma forma de Psicoterapia a Distância. O papel aceitando toda forma de desabafo, angústias, idéias, percepções e conclusões pessoais a respeito de si e do mundo é enviado a um outro, que recebe, lê, acolhe e dá a devoluta com suas percepções. Modernamente falando, a correspondência evoluiu para o e-mail ou o correio eletrônico e a comunicação passou pela maior revolução da história da humanidade. Hoje podemos nos comunicar com qualquer local do planeta em tempo real, sem precisarmos esperar meses e mais meses para que o outro pudesse ler as cartas e após meses e meses, pudéssemos receber a devoluta da mesma. Hoje a comunicação é praticamente instantânea.

A primeira ferramenta eletrônica de comunicação que surge para suprir os inconvenientes de uma Psicoterapia por Correspondência, é o e-mail. O e-mail permite rapidez na troca de informações num nível avançadíssimo, comparado a correspondência tradicional, intermediada por uma série de atravessadores, encarecendo o processo e dificultando as relações. O e-mail aumentou a troca de informações e os antigos Colégios Invisíveis da Ciência, antes por correspondências, agora, ocorrem noutro patamar, evoluindo para o e-mail, passando para os e-groups, comunidades do orkut, blogs interativos e a tecnologia da informação evoluiu de forma absurda, e encontramos plataformas de e-learning de altissima complexidade e possibilidades de aprendizagem e trocas de informações a distância. Apesar do e-mail ter sido um avançadíssimo passo na comunicação, um outro passo ainda maior foi dado, quando surge as tecnologias dos chats e mais tarde, chats com possibilidade de conversa por audio e vídeo. Este avanço se deu pela tecnologia chamada VOIP  ou voice over IP (voz pela internet). A telefonia analógica - descoberta por Alexander Bell, como dizem uns, ou Antônio Meucci, como dizem outros - utiliza a transmissão de sons por meio de sinais elétricos, o que torna muito cara a tecnologia. Por outro lado, o VOIP, é a transmissão de sons por meio da internet, sendo somente mais um dos serviços que a web suporta. Quando a transmissão se dá de computador para computador, o custo é zero, o que torna a comunicação muito mais acessível e universalmente expressa, bastando uma conexão de banda larga e um programa instalado, normalmente utilizado o MSN ou o famoso SKYPE, com milhões de usuários. Estes sistemas evoluiram, onde hoje surge uma nova forma de comunicação, as conversas em tempo real, onde pode-se usar uma imagem de câmera (webcam) conjuntamente com outros recursos como o chat, para anotações, envios de arquivos, compartilhamento de sites e outros.

Neste ponto de ancoragem, muitos estão usando estes recursos em várias áreas da sociedade. Do ponto de vista profissional, muitos treinamentos são dados através dos meios online com economia de milhões de reais para muitas empresas que informatizaram toda sua comunicação e estabeleceram por exemplo, o SKYPE como telefonia interna ou entre as filiais, a custo zero. O empresariado se benificia a cada dia que passa com estas tecnologias assim como a Educação. A Educação talvez seja a área mais desenvolvida, onde contamos hoje com as plataformas modelo como MOODLE, que é uma sala de aula virtual com inúmeras possibilidades de aprendizagem a distância. A sociedade também vem se beneficiando da web para a evolução. Pessoas de todos os locais do mundo, todos os dias e todas as madrugadas, trocas idéias e confidências íntimas e profundas, em relações honestas e sinceras com sinais terapêuticos visíveis. Centenas e mesmo milhares de comunidades do orkut servem como local terapeutico para muitas pessoas que necessitam de ajuda e não sabem como resolver seus problemas.

É aqui que nasce a Psicoterapia a Distância ou mais especificamente, a e-Psicoterapia. A e-Psicoterapia é a Psicoterapia pela Web, através dos recursos digitais, como:

1. e-mail
2. chat (geralmente o msn ou skype)
3. voip (geralmente o skype)
4. voz e vídeo (geralmente o skype)

Tenho tido experiências muito positivas através do recurso técnico chamado Skype, ou a plataforma gratuita de comunicação em tempo real, sem custo tanto para Psicoterapeuta como para o Paciente, o que possibilita que a Psicoterapia seja realizada a partir da e-Clínica ou Web-Clínica. A e-Clínica é o web-ambiente onde ocorre a Psicoterapia. Ambos necessitam somente de conhecimento básico de internet, conexão banda larga e de computadores. O Psicoterapeuta pode atuar a partir do home-office, cyber café ou mesmo pela conexão web em sua clínica. O Paciente pode estar em psicoterapia a partir de casa ou num cyber café. Ela pode assumir a forma de uma b-Psicoterapia ou Psicoterapia Mista (blended ou mista), com sessões presenciais. A Psicoterapia pode se dar em outros ambientes web, como mesmo as plataformas de Educação a Distância, Moodle, etc.

A essência da e-Psicoterapia é a possibilidade de pacientes de locais distantes se beneficiarem da Psicoterapia a custos muitos menores, comparados aos deslocamentos, gastos com hotéis, alimentação e as sessões. Existem pontos fortes e fracos da e-Psicoterapia, como a impossibilidade de, por exemplo, a realização de sessões de terapia de vidas passadas e outroas técnicas que somente a sessão presencial possibilita. Por outro lado, isto pode ser compensado com sessões intensivas de finais de semana, em 1x por mês ou mesmo 1x ou 2x por ano. Tudo vai dependendo do caso clínico e o formato da e-Psicoterapia vai se dando ao longo do próprio curso. Outros recursos da e-Parapsicologia Clínica, como a possibilidade de interações extra-sensoriais e energéticas, podem ser aplicados perfeitamente nesta interação web.

Este assunto é extenso, mas de forma a concluir, mesmo que inicialmente, asseguro que a Psicoterapia a Distância, através da internet pode alcançar alto nível de qualidade e pode ser perfeitamente usada como recurso para o atendimento de pacientes que não podem frequentar sessões presenciais. Por outro lado, dependendo do problema é necessário a opção mista, com Psicoterapia pela Web conjuntamente com sessões presenciais. Ou a Psicoterapia inicia com sessões presenciais e posteriormente, pode se dar a maior parte pela web. Tudo vai depender do caso clínico concreto.

12.4.10

A Família e a Evolução da Consciência (Espírito)

Por Dr. Fernando SalvinoParapsicólogo Clínico e Psicoterapeuta


(revisado em 09.06.2011)

Hoje a mensagem que quero passar é sobre a família e as questões espirituais envolvidas. A grande maioria de nós passou ou passa por problemas familiares. Eis uma questão que acomete a todos, eu e você. Ao decidirmos nos humanizar (reencarnar) acabamos por sermos atravessados pelas pessoas que formam nossa família. Pais, mães, irmãos, irmãs, tios, tias, primos, avós e avôs.... e assim por diante. Ao optarmos por renascer em dado país, acabamos por optar renascer em determinada família.


Muitos perguntam: é verdade que escolhemos nossos pais mesmo?

Vamos pensar com bastante racionalidade. Dos quase 7 bilhões de pessoas que habitam o planeta nos seus mais variados locais, porque razão acabamos tendo a família que temos? Se formos fazer um cálculo pela estatística não vale dizer que é “coincidência” muito menos que é o “acaso” que nos levou a ter esta ou aquela família. Bom, se não é o acaso, então, o que nos levou a escolher a família que temos?

Escolhemos a família por laços de afinidade espiritual.

Escolhemos a família que temos por laços de afinidade. Estes laços de afinidade podem ser laços positivos ou negativos. Os laços positivos envolvem identificações positivas com as pessoas da família, principalmente nossos pais. Embora possam haver problemas naturais de relacionamento, o saldo positivo predomina. Já os laços negativos de afinidade tem relação com as pendências de conflitos de vidas anteriores. Mas você pode me perguntar: mas existem mesmo as vidas passadas? Sim, existe. A ciência comprovou-as desde os finais de 1800, através de rigorosas investigações e ainda mantém estas pesquisas, apesar de não divulgadas. Por exemplo, o Dr. Ian Stevenson, psiquiatra americano, catalogou mais de 2.000 casos de crianças que lembravam naturalmente de vidas anteriores. Mas voltemos ao nosso assunto.

Estes laços negativos ocorrem por conflitos de relacionamento não trabalhados no passado, seja lá em que vida isto ocorreu. As pessoas neste caso se afinizam pelo ódio, raiva, rancor, ressentimento e mágoa que sentem uma pela outra. Escolhem renascer juntas em família para que possam reconciliar-se, a partir do perdão sincero. Muitas vezes os conflitos ocorrem, por exemplo, entre pais e filhos, justamente porque em vida passada eram parceiros, maridos e esposas um do outro. E nesta o aprendizado é outro, pois é proibido o incesto ou a sexualidade praticada entre pais e filhos. Necessitam aprender o amor mais puro entre os espíritos.

Lembro de um caso de uma paciente, que chamo aqui de Sônia. Sônia tinha um grave problema de relacionamento. Em terapia de regressão ela lembrou que passou exatamente duas vidas com o mesmo homem e fora feliz. Numa das vidas posteriores, ela renasce como irmã dele e todos seus problemas começam a aparecer. Sua vida fica estagnada e o ciúme do irmão é doentio. Quando desencarna, torna-se a intrusa da relação do irmão com a esposa que acaba por terminar a relação e acompanha o irmão até que o mesmo vem a desencarnar quando velho. Permanece presa a ele até que ele a encontra na dimensão extrafísica ou espiritual. Lá eles acabam retornando mas desta vez como pai e filho. Na vida seguinte, a experiência permanece mais complicada, onde Sônia vive uma vida toda sozinha. Nesta vida seu conflito expressa toda esta complexa problemática, vivendo sozinha e co mo afirmava ela: “parece que estou esperando alguém vir me pegar”... que se referia ao homem que viveu com ela vida após vida. Seu aprendizado parece ser aprender a amar este espírito de forma mais pura e ir em busca de novas experiências evolutivas. O que ligava estes espíritos era o amor, portanto, um laço positivo, mas que neste caso se expressava negativamente. Sônia reconhecia no irmão o marido de outra vida e todo ciúme que sentia dele. Após estas experiências reviu toda sua vida e pode alinhar-se para novos rumos de relacionamento.

Outro caso é do paciente que chamo aqui de Robson. Robson tem conflitos graves com o irmão e não se falam. Em terapia de regressão descobriu que numa vida na China antiga, teria matado o irmão numa emboscada, visto ser o irmão um rei maligno que oprimia o povo. Na vida posterior, o irmão como soldado do exercito dos templários, invade o castelo onde vivia Robson e destrói todas as suas pesquisas. Em vida posterior, o irmão mata Robson com um tiro no peito e este desencarna na mocidade sem compreender a traição do colega soldado. Nesta vida ambos nascem como irmãos para tentarem reconciliar-se desta pendência de milênios de existência. Ambos se envolvem com atividades conjuntas na área do empreendorismo e acabam por conflitarem-se, o que parece que impediu a reconciliação nesta vida. O que liga estes dois é o ódio, a traição, a disputa e o traço mil itar de ambos. Enquanto os dois não reciclarem estes aspectos provavelmente ainda estarão ligados por laços negativos vida após vida.

Nada é coincidência. Nada é ao acaso. Você escolheu sua família por algum motivo evolutivo.

Trago a atenção aqui para você meu amigo e amiga, a família que você escolheu e o grupo de amigos, conhecidos que você vive. Nada é coincidência, nada é ao acaso. Você planejou esta vida, seja de forma consciente e lúcida, seja de forma bastante inconsciente. Seja lá como você fez, você fez. Você decidiu renascer através dos pais que têm. Você não é uma vítima da vida e dos acontecimentos. Você é responsável por sua escolha de estar aqui, neste mundo.

Alimento para reflexão espiritual.

Portanto trago algumas perguntas que visam lhe ajudar no processo de entendimento de sua evolução através da família. Pare um pouco, recolha-se na sua intimidade, afaste-se de suas emoções como raiva, ressentimento, etc... respire fundo, traga lucidez, conecte-se com o amparo espiritual e responda com toda honestidade:

1. Por que razão escolhi meu pai? O que preciso aprender com esta relação? Preciso perdoá-lo? Preciso aceita-lo? Preciso prestar assistência a ele? Qual o aprendizado?

2. Por que razão escolhi minha mãe? O que preciso aprender com esta relação? Preciso perdoá-la? Preciso aceitá-la? Preciso prestar assistência a ela? Qual o aprendizado?

3. Por que razão escolhi meu(s) irmão(s)? O que preciso aprender com esta relação? Preciso perdoá-lo(s)? Preciso aceitá-lo(s)? Preciso prestar assistência a ele(s)? Qual o aprendizado?

4. Qual o nível (de 0 a 10) de dependência emocional, financeira e existencial que sinto com relação a minha família?

5. Sinto-me uma pessoa livre dentro da família? Ou vivo numa prisão? Quais os ganhos que tenho em me libertar da família pelo perdão e pela retomada de meu projeto de vida?

O perdão e a gratidão como ferramentas espirituais para a evolução em família.

Você escolheu seus pais. Eles erraram, eles acertaram. Eles lhe mostraram que eles são pessoas que falham e acertam. Provavelmente eles te magoaram, ofenderam ou mesmo foram ausentes ou agressivos com você. Não importa. Agora o que existe são os sentimentos e os significados do passado dentro de você. E só você pode mudar isso dentro de si mesmo. Liberte-se do rancor, da mágoa e afaste todas as expectativas irreais que tem da família. Procure perceber eles tais como são: pessoas humanas. Agradeça por tê-lo recebido nesta vida, por tê-lo alimentado e dado o que puderam para você. Talvez o seu caso seja muito delicado e difícil aceitar seus pais e o que fizeram para você. Mas lembre-se: você ainda se maltrata não perdoando e abrindo mão dos sentimentos negativos dentro de você. Perdoe seus pais do fundo de sua alma. É simples, mas admito que é difíci l. Caso viva numa família harmoniosa, agradeça pela oportunidade que está tendo. Caso tenha pais que lhe ampararam e lhe deram o amor puro, agradeça a vida pelo presente que recebeu.

Os espíritos de luz caminham pelo território da evolução trazendo a mensagem do Amor. Um espírito de luz sem nome, e exaltando profunda paz espiritual e serenidade, discernimento e amorosidade, afirmou um dia para mim:

“A Verdade é o Amor. O Caminho da Verdade é o Amor. É simples assim. Mas difícil de entender.”

Que o Amparo Cósmico abençoe a semana de todos!

8.4.10

O que Houve com Freud após sua Morte?

Por Dr. Fernando Salvino - Parapsicólogo Clínico

Este texto é uma ficção. Perguntei a minha esposa: que aconteceria com a Psicanálise se Freud tivesse uma única experiência fora do corpo? Ele é baseado nas evidências clínicas nas induções de Retrocognições (Terapia de Vidas Passadas) em pacientes, dentro de uma contexto da Parapsicologia Clínica e nas minhas investigações pessois dentro da paranormalidade.

O que aconteceu com Freud depois que ele morreu?

A Psicanálise, uma das maiores forças da Psicoterapia [se é que podemos chamá-la assim] no mundo, sendo a área da teoria e prática em psicoterapia que mais aprofunda as questões da sexualidade, aprofundando a interpretação dos sonhos a partir de um ponto de vista não abordado por outros campos como o Parapsicológico e afins, chegou no seu ponto de lacuna. Sigmund Freud, seu criador, afirmara, em outras palavras que se deperava com um campo em que nunca tivera uma única experiência que pudesse dar um rumo mais coerente nas investigações dos sonhos típicos, especialmente os sonhos de vôo, queda e outros, como os sonhos lúcidos, assim como as experiências fora do corpo [projeções conscientes]. Freud só irá compreender esta lacuna no momento em que recebe a injeção de morfina, que motivou sua eutanásia.

Freud passara uma vida de dedicação a Psicanálise, tendo completado sua tarefa de vida de forma magistral. Mudou o mundo e pode ser comparado a Copernico, Galileu e Newton, Einstein. Acontece que algo ocorre com Freud quando ele morre de câncer aos 83 anos de idade, por uma suposta overdose de morfina [autanásia], devido as fortes dores associadas ao câncer. Quando Freud recebe a dose de morfina algo ocorre com ele.

O médico chega com a dose e injeta em Freud. Seu corpo começa a amortecer completamente, num formigamento global. Sua consciência se altera de forma brusca. Seu corpo começa a estremecer. Uma energia toma conta de todo corpo numa forma de vibração potente que o arranca para fora do corpo. Sua consciência gira em espirais para cima de seu corpo, deitado na cama do hospital. Quando ele percebe sua condição, ele se percebe flutuando acima de seu corpo, dado como morto. Freud se surpreende quando vê a si mesmo, deitado na cama e ao mesmo tempo, se percebe flutuando, vivo acima do corpo.

Freud olha ao seu lado e vê seu amigo, Josef Breuer lhe dar as boas vindas. Breuer lhe falou:

- Freud, os Metapsiquistas tinham razão. A psiqué sobrevive a morte. Erramos. Eis agora nossa tarefa meu amigo.

- Breuer, agora compreendo o que nunca compreendi, pois me faltava a experiência. Apesar de ler em Carrignton, nada me convencia, pois a experiência me faltava. Agora estou convencido de que eu sobrevivo, e de que eu não sou aquele corpo. E se eu sobrevivo, será que poderei retornar a outro corpo, retornar a vida humana, para reparar meu grave erro?

Breuer responde:

- Sim Freud. O tempo aqui não existe como compreendemos. Aqui os estudos são doutro nível e alcançaremos outros patamares de compreensão da psiqué e da vida psíquica. Venha comigo e te levarei a outro lugar.

Neste instante, Freud se despede mentalmente de seus familiares todos envolvidos com seu funeral e segue aos cuidados de Breuer para onde estaria lhe encaminhando. Breuer levou Freud para um campo aberto cuja existência se dava no espaço, longe das imediações da crosta da terrestre. Freud aparentava mais novo, não sentia mais dores ou manifestava qualquer ligação com as antigas idéias que defendeu e com o Planeta. Freud estava experimentando a vida extrafísica e espiritual pura. As pessoas eram pacíficas, fraternas e amorosas, num nivel de serenidade quase absoluta, tendo recebido Freud de forma muito amiga e acolhedora. Breuer se separa de Freud, este permanecendo neste local para começar a frequentar sessões de análise de seu processo evolutivo.

Um espírito anônimo o recebe em alto nivel de intimidade. Apresenta-se como seu amparador evolutivo, a pessoa que estava sob a responsabilidade de orienta-lo na tarefa de levar a Psicanálise para a Terra. Afirmou que sua tarefa foi completada e que dentro de todas as limitações dadas pelo momento histórico, conseguiu realizar sua missão de vida. Apesar do êxito, alguns traços de sua personalidade o impediram de aprofundar sua tarefa e avançar. O amparador afirma que Freud teria acabado por criar uma nova religião, o que não era sua tarefa. Freud ficou um tempo relativamente grande com este espírito, compreendendo-se a fundo e a suas experiências de vidas passadas. Começou com isto, a planejar sua próxima vida. E o amparador disse a ele:

- Freud, apesar de tudo, terás de recomeçar novamente a partir de experiência do Édipo. Terás de diferenciar-se da mãe, do pai, para que possas se libertar da ação potente destas pessoas. O pai e a mãe serão pessoas que tem questões pendentes a superar. O que tornará o Édipo mais potente e teu desafio mais intenso. A tua tarefa de vida depende da resolução bem feita deste Édipo. Encontrarás tuas proprias idéias e defenderá com fervor. Mas terá de transcender e questiona-las, para reformular e expandir para os campos cósmicos da existência, dando valor aos pensamentos cosmoficantes. Poderás se envolver com Medicina, Psiquiatria ou mesmo Psicologia, Parapsicologia e áreas afins. As coisas evoluiram na Terra. Hoje terás muitas opções. Mas os desafios serão maiores. Muitos gênios estão lá, então serás mais um. Enfrentarás tua vaidade e narcisicmo num nivel agudo, e se superar isto, poderá contruibuir com a evolução noutro nivel.

Freud fica pensando a respeito e analisa as condições ofertadas pelo amparador. Realiza suas conclusões e começa a elaborar seu projeto, ambos juntos. Vai conhecer os pais. E começa a ver o país que irá renascer. Em dado momento, começa a densificar-se, tornando mais energético, magnético e se aproxima do pai e da mãe, que já pensam em engravidar.

Numa bela noite, os pais, voltando de uma festa, vão para o quarto e fazem amor. No momento exato do orgasmo do pai, um jato de espermatozóides invade o canal da mãe e atinge o óvulo que imediatamente é fecundado. No momento exato da fecundação, um campo biomagnético é gerado pela aproximação do corpo psíquico de Freud aos corpos físicos do pai e da mãe. Um cordão magnético se forma e se une ao processo da embriogênese, impulsionando a formação fetal e ao corpo do feto. Freud terá o nome de Chang Yang, e está na China. Seus pais, Lee Yang e Yu Yang. Provincia de Wu. Ano 1952, dia 4 de março. Renasce Freud. Seu pai, pertence ao Budismo. Sua mãe, era gueixa e foi capturada de Beijin pelo pai e levada para Wu.

7.4.10

Sexualidade: Ferramenta para a Autosuperação

Por Dr. Fernando Salvino - Parapsicólogo Clínico

Semana passada falei abertamente sobre a questão do “Por que fazer terapia?”. Esta semana darei continuidade a todas as minhas mensagens que venho enviado até então. Você deve ter notado que de uma forma direta ou indireta acabo abordando a questão da sexualidade e evolução. Então, você mesmo pode se perguntar: “O que leva um Parapsicólogo a falar acerca da sexualidade? É realmente uma boa pergunta.

O que realmente me leva a inserir a sexualidade no campo clínico e ainda no campo das investigações sobre a evolução do espírito é sua extrema importância em nossas vidas. Mas de que estou falando? O ponto de vista pela qual me pronuncio leva em consideração as evidências concretas e objetivas de que a sexualidade atravessa nossas vidas talvez mais que qualquer outra coisa. E mais, está na essência mesma do enigma que denominamos “reencarnação”. O suprasumo da experiência cósmica transcendente é o nirvana, o samadhi, a consciência cósmica. O suprasumo da experiência emocional é o Amor. O suprasumo da experiência energética é o Estado Vibracional. O suprasumo da experiência se xual é o Orgasmo. E como nossa vida humana é essencialmente sexual, então o amplo disturbio associado a impotência orgástica e a seus problemas associados (pudores, nojos, crenças, etc.) parece-me ser uma evidência coerente de que não damos o devido valor a nossa vivência madura da sexualidade. E a repressão sexual impede de termos uma vida satisfatória como um todo. Impede de educarmos sexualmente nossos filhos de forma adequada. Impede de termos relacionamentos maduros com outras pessoas. Pois sexualidade nada tem a ver com sexo. Sexualidade se expressa também no sexo. Mas, engana-se que um Monge não expressa sua sexualidade. Um Monge expressa sua sexualidade o tempo todo, mesmo sem fazer sexo. Muitos sentem-se seduzidos e atraídos pela bondade de um Monge. Muitas vezes, uma palavra afetuosa ou uma atitude fraterna podem gerar mais magnetismo que uma sedução sexual. Muitas vezes um conteúdo intelectual pode ser excitante. Muitos se excitam lendo livros quando o assunto lhe agrada muito. Sexualidade está em tudo e nos atravessa em tudo.

Então, porque não usamos a sexualidade como ferramenta para evoluirmos?

Você pode acreditar ou não em “reencarnação”. Não importa. Caso não acredite, sempre digo o seguinte: “Existem coisas que existem independentemente de nossas crenças”. E uma destas é o que apelidamos de “reencarnação”. E é onde tudo começa nesta vida. Por isto, vou começar bem pelo começo até que consiga demonstrar através de palavras simples, o papel da sexualidade em nossas vidas e como podemos usá-la para nossa superação pessoal e evolução espiritual. Talvez este conceito seja estranho a você que, provavelmente, como eu, veio de uma educação religiosa que defendia a supressão da sexualidade para a evolução, colocando-a no território do pecado. E me parece ter um sentido (em nossa cultura judaico-cristã) e, muito óbvio, este sentido parece estar ancorado no Velho Testamento, em trechos como este:

Disse o Homem uma vez: “Ouvi tua voz no jardim e tive medo, porque estava nu; e escondi-me.Deus lhe perguntou mais: “Quem te mostrou que estavas nu? Comeste da árvore de que te ordenei que não comesses?Ao que respondeu o Homem: “A mulher que me deste por companheira deu-me a árvore, e eu comi.”Perguntou o Senhor Deus a Mulher: “Que é isto que fizeste?Respondeu a Mulher: “A serpente enganou-me, e eu comi”.Muitas interpretações nós podemos tirar destes trechos. Mas repare você o conteúdo sexual deste trecho da Gênesis. A expulsão de Adão e Eva do Jardim do Éden é atravessada por duas variáveis: (1) o fato de o Homem e a Mulher terem comido o fruto da árvore do conhecimento, terem sido seduzidos pela “serpente” e com isto terem conquistado as noções de Bem e Mal e terem se descoberto mutuamente sexuais e; (2) o pecado associado à Sexualidade e a punição associada a vida sexual. A punição, portanto, é a expulsão de ambos do Jardim do Éden e o compromisso pela Vida Terrena associada ao sofrimento.

Pergunte a vôcê mesmo: O quanto tenho reproduzido em minha vida este contexto?

Agora interrompa um pouco o raciocínio e coloque uma pausa no que escrevi até agora. Vejamos tudo isto sob a ótica Parapsicológica “reencarnatória”. Deus criou o Céu e a Terra, no princípio. Sob a ótica Parapsicológica, Céu simboliza o Universo Multidimensional, o Plano Espiritual e Extrafisico de onde viemos antes de renascer. E a Terra, é a Dimensão Material para onde vamos quando “reencarnamos”, o Universo Físico estudado pela Cosmologia, Astronomia e Astrofísica. É no Céu que se encontra o Jardim do Éden, o local de onde Adão e Eva são expulsos pela Lei Reencarnatória. Jardim do Éden é o local paradisíaco que é representado pelas Dimensões Extrafísicas mais evoluídas, cujos habitantes não apresentam sinais de sexualidade como compreendemos. São os chamados “amparadores”, “mentores espirituais”, “arcanjos”, “serafins” e assim por diante. Deus é o pai, a Autoridade Cósmica que comanda esta “travessia de mundos” ou a “reencarnação”. Esta autoridade se expressa por intermediários, chamados antigamente de “profetas”, como Moisés. Moisés teve uma revelação dada por Deus e seus intermediários, os Anjos. Repare que o processo é todo Multidimensional. Na ótica da Parapsicologia, os intermediários são chamados de “médiuns”, “sensitivos” ou “paranormais”. O fenômeno da profecia é hoje tecnicamente chamado de “precognição”. O Velho Testamento informa sobre a “reencarnação” através de um tipo diferente de linguagem, que servia a sua época.

O apontamento dado por Deus em relação à sexualidade de Adão e Eva e sua expulsão do paraíso, na ótica da Parapsicologia, se relaciona ao fato de termos de abdicar da vida de orgasmo extrafísico e espiritual, assexuado, para assim, reencarnarmos e nos sexualizarmos novamente para uma nova vida Terrena, Sexual, Carnal.

Esta travessia de mundos, do Céu para a Terra, marca a “reencarnação”, ou a ponte entre as duas realidades cósmicas. E a citação da sexualidade na Gênesis tem uma importância fundamental: a reencarnação só acontece quando ocorre uma relação sexual; quando um gameta masculino (espermatozóide) fecunda o gameta feminino (óvulo). Desta fecundação ocorre a formação de uma célula-matriz, o ovo ou zigoto, que é uma célula sexual. A partir desta célula sexual, todo o corpo é formado. Ou seja, o sexual está contido em todas as nossas células. Noutras palavras, o nosso corpo é um corpo sexual. E como nossa sociedade é uma sociedade de corpos sexuais, nossa sociedade é uma sociedade sexual. Os conflitos sexuais em escala menor e maior é expresso pelos distúrbios associados a vida psíquica do ser humano e com as guerras e genocídios associados aos estupros de massa.

A Inteligência Divina manifesta pela Reencarnação: o aprendizado do amor espiritual e a vivência madura da sexualidade.

Por outro lado, simbolicamente falando, Deus foi inteligente quando desenvolveu a “reencarnação”. Os espíritos só podem reencarnar se houver a relação sexual entre homem e mulher (com exceção dos casos artificiais). E este homem e mulher são os seus pais. E estes pais podem já ter tido outros filhos. Então, eu e você atravessamos do Céu para a Terra pela sexualidade, reencarnamos e nos sexualizamos (como homem ou mulher) e habitamos nosso primeiro ambiente: o útero da mãe. Crescemos ali dentro. E em dado momento, saímos pelo órgão sexual desta mãe, a vagina. Esta mãe nos acalenta e nos coloca em seu seio para que possamos amamentar. As primeiras experiências sex uais mais intensas ocorrem na amamentação. O prazer do amamentar e da saciedade dada pelo leite materno (ou seu substituto) e pelo contato com a mãe marcam esta criança e faz com que ela deseje continuar seu caminho de busca de prazer. Depois, tardiamente, ela se auto-erotiza, iniciando sua fase mais masturbatória, as fantasias sexuais e começa a aparecer de forma mais direta o desejo sexual pelos pais, ora pela mãe, ora pelo pai, ora por ambos. Mas como disse, Deus foi inteligente. A genética humana proíbe o incesto. Os casos de filhos gerados por incesto trazem as evidências de problemas genéticos e mesmo anomalias, abortos, etc. Assim, mesmo a sexualidade atravessando toda a vida do espírito agora sexualizado como homem ou mulher, você percebe que não pode ter relações sexuais com o pai, a mãe e os irmãos. Não entende o porquê disso... Os pais deixam claro que não pode. E quando permitem, desastres ocorrem na vida sexual desta criança e em sua vida posterior.

A vida prossegue. A criança ou o jovem, eu e você antigamente, ao percebermos que não podíamos ter nossos pais e irmãos sexualmente, começamos mais um aprendizado de aprender a amá-los por outro ponto de vista: o não sexual e o espiritual. O travamento que a “reencarnação” gera na relação sexual entre familiares carrega a Inteligência que sabe que precisamos aprender a nos amar espiritualmente, mesmo num mundo carnal e sexual. Assim, você procurou outro para que pudesse satisfazer suas necessidades sexuais e afetivas mais profundas. Encontrou seu primeiro namorado(a), e enfim, teve sua primeira relação sexual. Você pode ter percebido num exame de consciência, o quão parecido com seu pai ou com sua mãe muitas vezes foram às pessoas que você se relacionou sexualmente e amorosamente. Talvez até tenha concluído que ainda está resolvendo seus conflitos com seu pai e sua mãe, conflitos estes cuja base é atravessada pela impossibilidade da relação sexual neste relacionamento e por histórico trazido de vidas anteriores, que fundamenta a escolha destes pais e irmãos. Histórico este que evidencia, muitas vezes, ter sido amante deste pai ou mãe noutra vida e, nesta, é somente filho e a relação sexual está bloqueada pela lei natural da evolução espiritual.

Eu e você decidimos voltar para aprendermos 3 coisas

A busca pelo amor de sua vida e a busca por uma vida sexualmente satisfatória está na base de toda a sua programação existencial. Eu e você decidimos voltar para aprendermos no mínimo três coisas:

1. Aprendermos a amar espiritualmente nossos pais, familiares, amigos, humanidade e seres vivos, para além da sexualidade, transcendendo o sexo. E tudo começa na família e em como lidamos com as perdas dentro do relacionamento com nossos pais.

2. Aprendermos a desenvolver a sexualidade de forma madura, numa relação satisfatória, ancorada numa relação sincera, honesta e livre, na monogamia natural de uma relação que se completa e se nutre mutuamente.

3. Aprendermos a encontrar e a realizar o trabalho que nos dá prazer e sentido na vida.


Pilares da Evolução do Ser ou Espírito Sexualizado


A Parapsicologia Clínica, com toda sua objetividade, considera estes pilares os mais básicos e os mais comuns a todos os seres humanos. Se estamos doentes ou nos sentindo deprimidos, tristes, melancólicos, infelizes é porque estamos com dificuldades nestas três áreas: (1) amor espiritual; (2) amor sexual; (3) trabalho. Significa também nossa imaturidade em viver. Estamos aprendendo a viver. “Reencarnamos” para aprendermos a viver. E tudo isto envolve "Conhecimento" e "Experiência", que poderiam ser o 4° pilar.

Sexualidade, Pecado e Repressão de nossa Missão de Vida

O pecado associado ao sexo torna a sexualidade um pecado e o prazer um distúrbio cármico. Quando bloqueamos a sexualidade em nossas vidas bloqueamos a vida. A expressão da sexualidade (e não da promiscuidade que é um distúrbio da sexualidade) carrega em si a Vida Maior, carrega a expressão de sua essência mais humana. Quando você bloqueia sua sexualidade está privando de ter uma vida de maior intimidade. Está privando de se conhecer a fundo, de conhecer seus desejos e necessidades de ser amado(a) e desejado(a). Pois sexualidade não só é o ato sexual. Sexualidade está em tudo que fazemos, pois fazemos tudo a partir de um corpo sexual que busca prazer e sentido. Investimos energia sexual no trabalho. Investimos energ ia sexual em tudo que fazemos, até mesmo assistindo TV ou lendo Jornal. Investimos energia sexual numa conversa e numa aula, conversando com seus filhos ou mesmo amando-os.

Nós sexualizamos nossos filhos mesmo sem desejarmos isto conscientemente. Porque somos seres sexuados. Mas, como sexualidade e sexo são coisas diferentes, sexualizar um filho é necessário para a formação psíquica de sua vida e de sua existência.

Após estas palavras, deixo aqui este material para você refletir.

Pergunte e responda para você mesmo:

1) Qual o sentido de estarmos vivos e não trabalharmos com o que gostamos de fazer, tornando nosso trabalho uma fonte de motivação e lazer?


2) Quando o sentido de estarmos vivos se eu não vivo a sexualidade para minha evolução espiritual


3) Quando o sentido de estar com uma pessoa que não a amo e mantenho este relacionamento para obter ganhos secundários ou mesmo para privar-me de minha felicidade noutra relação?


4) De uma nota de 0 a 10, a respeito do quanto o “pecado” associado a sua sexualidade está lhe privando de uma vida mais feliz, livre e satisfatória?


5) De uma nota de 0 a 10, a respeito do quanto tem vivido uma vida sexual mais no campo da promiscuidade e superficialidade do que no campo da sexualidade madura com envolvimento de corpo, alma e espírito a partir de uma monogamia natural e não forçada, com parceiro(a) fixo(a)?

Que conclusões você tira diante de tudo isto?