Terapia de Vidas Passadas e Pesquisa Científica da Retrocognição

Acesse meus ensaios sobre minhas experiências retrocognitivas, de terceiros e implicações científicas.

Conscienciologia, Projeciologia, Experiência fora do Corpo, Projeção Lúcida (Astral)

Acesse meus ensaios sobre minhas primeiras experiências extracorpóreas ainda no útero de minha mãe até minha idade atual.

Holocosmologia, Samadhiologia (Serenologia), Função psi-ómicron, Yôga, Tao, Meditação

Acesse meus ensaios sobre a Holociência e o método para o acesso holocósmico.

Ufologia Avançada, Parapsicologia Experimental (psi-ómicron) e Autoexperimentação Parapsíquica

Acesse meus ensaios sobre a correlação entre os fenômenos psi-ómicron, a Ufologia Avançada e experimentação direta.

19.2.13

Sobre a Serenidade Íntima: Da Autopesquisa da Angústia-Ansiedade, Das Pendências e Da Serenidade Íntima

Vida e Existência Holocósmica
Por Fernando Salvino (MSc)
Parapsicólogo e Psicoterapeuta



Antes de prosseguir, sugiro o estudo do ensaio com título: "Pendências: Fonte de Angústia e Ansiedade - parte 1" - clique aqui


I - Da Introdução: Autopesquisa da Angústia-Ansiedade à Autopesquisa de Pendências

A autopesquisa me levou a perceber uma relação direta entre pendências e sentimentos de angústia e ansiedade, sem causa aparente (angústia do nada). Venho autopesquisando o fenômeno da angústia do nada em mim mesmo e deparei-me com a força com que pendências importantes não resolvidas agem na criação de sentimentos de angústia e ansiedade sem causa aparente.

As pendências parecem ser resultantes de ações, assuntos, fatos, conflitos e tudo que pode estar relacionado ao tempo passado, mas que, por ser pendência, permanece no tempo presente, enquanto sintoma de angústia e ansiedade. Assim, o espaço-tempo das pendências não é exatamente o passado, mas está mais relacionado ao pretérito perfeito, ou seja, um fato que ocorreu no passado mas que pode se prolongar até o presente ou está presente no presente.

Desta forma, as pendências pode ser definidas como constelações interconectadas de problemas (que geram conflitos internos) pretérito-perfeitos não resolvidos, no acostamento da vida pessoal e que ainda permanecem ativos, não de forma consciente (na maioria dos casos), mas de forma inconsciente, deixando para a angústia e ansiedade seu local sintomático na topografia consciencial.

Assim, a autopesquisa dos sintomas de ansiedade-angústia levou-me naturalmente a autopesquisa das pendências e, diante disso, a realizar uma autogestão contínua de pendências para que pudesse servir de instrumento de gestão da ansiedade-angústia. Com o passar do tempo, foi possível discernir as raízes da ansiedade-angústia e o percentual médio de suas relações com a constelação de pendências e o percentual restante, que daí sim, não pertencia ao campo de pendências, mas de situações atuais de estresse e desafios, ou a níveis inconscientes mais profundos, como pendências ocorridas num espaço-tempo antigo, anterior a esta vida (fatores de existências ou vidas passadas).

II - Do Mapeamento de Pendências e Gestão da Serenidade

O que é pendência? É geralmente o fato gerador do conflito. E como raramente existe uma única pendência, então, pendências geralmente são constelações de fatos (pretérito-perfeitos) entrelaçados geradores de conflitos internos. Uso a palavra "geralmente" porque não poderia dizer que todas as pendências são negativas e geradoras de conflitos. E como estou examinando as pendências geradoras de estado interno de não-pacificação íntima, ou seja, conflitivo, ficarei aqui com o conceito negativo de pendências.

O mapeamento de pendências aos poucos acaba abarcando um espectro mais amplo para que a serenidade seja mais contínua e os sentimentos de angústia-ansiedade não viabilizem oscilações conscienciais e de campo expressivas e patológicas. Assim, nos libertamos da condição de consciência transtornática, ou aquele que presenta transtorno tal como definido pela psicopatologia. A serenidade neste caso pode ser descrita como um sentimento geral de vazio de pendências, sentido interno e liberdade íntima, acalmia, alívio, tranquilidade mental, emocional e existencial sentida no espaço-tempo do agora. O agora neste caso, caminha em atemporalidade. Serenidade, pois, tem relação com atemporalidade e/ou tempo simultâneo.

Assim temos que as pendências alcançam uma constelação dinâmica que tem, geralmente, raízes antigas (vidas passadas) e prolongamentos nesta atual vida, constituindo o que chamo de "holoconstelação de pendências".

Esta holoconstelação pode ser dividida em dois grandes grupos espaço-temporais (pretérito-perfeitos):

1. Pré-Existência atual
2. Existência atual

Em ambos os grupos, temos as seguintes variáveis:

a) Consciencial: pendências relacionadas com o cuidado pessoal, como alimentação adequada, exercícios físicos adequados, trabalho adequado sobre a energia, cuidar dos sentimentos, emoções, da mente, pensamentos, intenções, profissão, moradia, e assim por diante. Neste espectro, pode ser aplicado a técnica exposta na parte 1 deste ensaio, acima citado.

Sintomatologia: as pendências da variável "a" levam a pessoa a além de sofrer os efeitos sintomáticos da angústia-ansiedade, aos seguintes sintomas:

- Irritabilidade
- Inquietação psicofisiológica
- Agressividade
- Compensações sexuais
- Perda de foco
- Dificuldade com atenção
- Priorizações indevidas
- Sobrecarga energética
- Deslocamentos (item muito relevante)
- outros...

Profilaxia: A auto-gestão de pendências é profilaxia permanente para a gestão da angústia e ansiedade, onde assumimos a total responsabilidade pelo que ocorre dentro de nós, ao invés de culpar o cérebro ou outras pessoas. Como profilaxia temos que a pessoa precisa parar tudo, e começar a entrar em contato primeiramente com seus sentimentos de angústia e ansiedade, ao invés que querer se livrar deles por meios fáceis, como drogas receitadas. Aqui pode ser útil a técnica de dissolução da couraça psicoafetiva (clique aqui). O contato com a angústia-ansiedade leva às pendências, naturalmente, a partir da seguinte pergunta, por exemplo: quais as pendências da minha vida? (leia a parte 1).

Os aspectos a se trabalhar em si mesmo, são a auto-organização, priorização e principalmente o comprometimento honesto, sincero, autêntico consigo mesmo e com nossa saúde integral. A atitude de sermos amparadores de nós mesmos demanda prática contínua e parece-me ser o caminho que encontrei para sentir-me nos momentos de agora, mais pleno, e sentindo o vazio bom, em oposição ao vazio ruim, que queremos resolver.

O convite aqui é estudar a si mesmo em profundidade, saber quem somos, de onde viemos e para onde estamos indo.

A autogestão consciencial e interconsciencial são essenciais na profilaxia definitiva do que estamos aqui querendo resolver: não viver com com nenhum sentimento de angústia e ansiedade. Ambos nos inclinam a refletir sobre nossa posição espaço-temporal:

- Angústia (e seus companheiros: melancolia, tristeza, aperto e dor no peito, agonia, sufocamento, etc.): mais relacionada ao passado - De onde vim?
- Ansiedade (e seus companheiros: inquietação, agonia física, preocupação, taquicardia e sintomas fisiológicos, etc.): mais relacionado ao futuro - Para onde vou?

O eu, a consciência, neste caso, não ocupa um espaço-tempo exatamente presente, mas oscila permanentemente entre passado e futuro, e não se situa no eixo, o agora. O espaço-tempo agora é o local da serenidade. Em topologia consciencial, o espaço-tempo psíquico da serenidade é o agora. O agora não é um local físico, geográfico ou mesmo cerebral ou localizável subjetivamente. O agora é o puro estado de lucidez sem qualquer preocupação e oscilação no tempo, tanto para o passado (angústia), como para o futuro (ansiedade).

b) Interconsciencial: pendências conflitivas ou não (promessas, acordos, etc.) com pessoas, sejam elas desta vida ou de vidas anteriores, estejam elas vivas nesta vida ou dessomadas. De qualquer forma, são consciências que temos problemas de conflitos, que podem ser: leve, médio, grave ou gravíssimo. Este último gerando os assédios interconscienciais mais sérios. Os de nível grave podemos dizer que geram as interprisões cármicas que fazem quase com que compulsoriamente estejamos com esta ou aquela família, com este ou aquele pai ou este ou aquele irmão, grupo, cidade, país e assim por diante. De qualquer forma chamarei de "conflitos" para as pendências com os outros. A seguir veremos os desdobramentos deste item em pendências:

b.1 - Conflitos consigo mesmo

b.2 - Conflitos com outros:

          b.2.1 - Conflitos com pai e mãe
          b.2.2 - Conflitos com irmãos
          b.2.3 - Conflitos com filhos
          b.2.4 - Conflitos com cônjuges ou ex-cônjuges
          b.2.5 - Conflitos com namoradas(os) ou ex-namoradas(os)
          b.2.6 - Conflitos com colegas
          b.2.7 - Conflitos com desconhecidos
          b.2.8 - Conflitos com grupos
          b.2.9 - Conflitos com instituições
          b.2.10 - Conflitos com raças, etnias, regiões, países, culturas...

A consciência predominantemente conflituosa não vive em paz interna, ou seja, manifesta sintomas de angústia-ansiedade constantes e quaisquer recursos empregados, tais como os a seguir citados, serão sempre paliativos temporários para a completa resolução do problema:

1. Drogas legais: álcool, antidepressivos, ansiolíticos e assim por diante.
2. Drogas ilegais: maconha, cocaína e outras.
3. Alienação na TV, internet, facebook, msn, skype, sites de busca, wikipedia, vida noturna compulsiva, e assim por diante.
4. Alienação em envolvimento obsessivo com esportes.
5. Medicamentos homeopáticos e florais
6. Acupuntura, massagem e outro recurso energético e corporal
7. Mobilização de Energia Consciencial
8. Afirmações positivas estilo new-age sem qualquer maior profundidade de trabalho interno
9. Hipnoterapia sem aprofundamento da resolução das reais pendências
10. Psicoterapia de consolação, onde o terapeuta fica ouvindo a queixa e nada mais faz para ajudar a diagnosticar as pendências e traçar plano de resolução lúcida das mesmas.

Os recursos acima serão sempre paliativos para a real resolução de qualquer conflito com outros, que se resume em a própria pessoa examinar-se profundamente e estabelecer a reconciliação e a resolução pacífica do conflito. A energia usada para manter o conflito pendente agora torna-se energia livre para ser usada para finalidades úteis. Por outro lado, se a pessoa não usa tal energia livre para finalidades úteis em sua vida ou na vida de outrem, então ela passa a ter o conflito como mecanismo de fuga de si mesma.

III - Da Sugestão de Método

Então, para que possamos gerenciar a serenidade, então precisamos começar não pela serenidade, mas pelas pendências e, com isto ter energia livre para aplicar em ações úteis, focadas e autoescolhidas.

Um autodiagnóstico preciso das pendências poderá levar em conta as variáveis acima expostas:

1. Pré-Existência Atual:
Auto-Diagnóstico (síntese) ou as pendências de existências ou vidas passadas - com pessoas, locais, assuntos, ações, traços de personalidade, fatos, culpa, traumas, conflitos, etc. É inevitável aqui os procedimentos de indução de retrocognição, auto ou hetero realizadas por profissional capacitado.

2. Existência Atual:
Auto-diagnóstico por área:

- Consciencial: pendências por área de nossas vidas, tais como:

a) Intraconsciencial: traços de personalidade, caráter e modos de ser que precisam ser modificados, amadurecidos e estão no acostamento de nossas vidas. Aqui vale realizar um auto-exame honesto de tais traços, listando-os, submetendo-os à apreciação de colegas, amigos, etc, aprofundando o que pode dentro das possibilidades sadias que encontrar.

- Interconsciencial: exame honesto e uma lista de pessoas/consciências que estão vivas nesta vida e as que estão vivas, mas não ressomadas aqui nesta vida, e que temos conflitos que precisam ser resolvidos internamente. Liste por ordem de prioridade e comece seu movimento de reconciliação. O procedimento inclui a visualização uma a uma destas consciências, conhecidas ou desconhecidas, de forma a pacificar a conexão áurica e, em determinados casos se for possível, estabelecer o diálogo direto com a pessoa a fim de pacificar a relação. Cada caso, aqui, é um caso e merecerá atenção lúcida.

Para tanto, poderá se utilizar da técnica exposta na parte 1 deste.

IV - Da Serenidade

O que estamos todos nós buscando de uma forma até mesmo caótica em nossas vidas além de nos sentirmos bem internamente, tranquilos, com paz interna?

O estado de serenidade é uma resultante contínua daquilo que fazemos de bem conosco mesmos e daquilo que fazemos de bem com e pelos outros, em escalas cada vez mais amplas em cosmicidade e até mesmo em holocosmicidade.

Os amparadores extrafísicos e intrafísicos mais lúcidos são aqueles mais benevolentes, que não apresentam traços de angústia e ansiedade, por outro lado, apresentam centramento no agora e paz interna, expressando serenidade em suas expressões como consciência e em sua aura pacífica, benevolente além daquilo que conhecemos aqui na Terra.

Em meu movimento de autopesquisa profunda, pude perceber ao longo de minha vida que houve um crescendo em serenidade, e que os momentos de serenidade aumentaram em quantidade e qualidade, proporcional a meu movimento de autenticidade e de autolibertação de tudo que me faz mal, em práticas recorrentes de autorespeito, em primeiro lugar, e respeito ao outro, em segundo.

As oscilações foram se tornando menos intensas e com amplitudes mais baixas, sendo oscilações mais fáceis de serem gerenciadas, porque a quantidade de pendências significativas já foram resolvidas, sobrando as pendências menos significativas. Com isto, o saldo da programação existencial apresenta-se como positivo de forma geral e restando 1 única pendência maior em fase de resolução, em contrapartida a tudo que foi resolvido em termos de resoluções grupocármicas e mesmo em tarefas de reconciliações com regiões inteiras, mesmo eu sem saber exatamente o porque teria de realizar tal tarefa. A exemplo disso, meu trabalho já realizado de proporcionar oportunidade de trabalho autônomo para a região serrana inteira de Santa Catarina, com um saldo positivo de centenas e centenas e, talvez, milhares de oportunidades geradas em trabalho amplo de equipe.

Este trabalho de base, a começar comigo mesmo e as resoluções intensivas de anos a fio desde aproximadamente meus 9 anos de idade até a estruturação profissional, casamentos e nascimento de minha filha e resolução definitiva de conflitos interconscienciais entre eu e meu pai e mãe desta existência, o qual hoje se tornaram grande amigos, ao invés de grandes inimigos e continuidade de pendência grave; assim como reconciliação com instituições do passado (Igreja) e com presentes, como o IIPC, e outros movimentos realizados ao longo do tempo e priorizando uma lista sempre em contínuo trabalho; até que eu mesmo pude sentir um aumento de espaço de energia livre decorrente das resoluções de pendências para que eu pudesse aplicar em minha tarefa mais ampla, com liberdade maior, no campo holocosmológico. A consciência parece alcançar a cosmointermissão se estiver com poucas pendências e maximizando a positividade do saldo intraconsciencial e interconsciencial.

Obviamente que é muito difícil deixar claro este movimento, que é antes de tudo, o torná-lo claro para mim mesmo e, diante disso, poder ajudar outras pessoas a se situarem dentro de si mesmas para que possam resolver suas pendências e abrir sua existência holocosmológica.

O estado de serenidade é o local não-local da consciência saudável, sem ansiedade, angústia, depressão, medos, pânico, melancolia e qualquer outra disfunção ou transtorno próprio do nível de evolução média da humanidade no Planeta Terra.

V - Da Serenidade e Loucura

A serenidade pode ser confundida com: problema, doença, loucura ou insanidade mental, visto que o que se considera normal e o comum se relaciona com o que vou expor a seguir:

1. A grande massa humana apresenta traços e comportamentos de ansiedade, agonia, angústia, melancolia, depressão, apatia, frieza, euforia, tristeza, indiferença, agressividade, medo, estresse, limitações cognitivas sérias, analfabetismo, e assim por diante e preocupam-se em demasia com os outros (imagem, aparência, status, poder) e investem energia, tempo e tudo que tem para uma competição ilusória de forma a ganhar uma competição inexistente, ou existente em seus delírios de poder, ganância, violência e necessidades de autoafirmação agressiva e egocêntrica (cosmologia pessoal: o ego é o centro do holocosmos).

2. A grande massa humana apresenta medo obtuso da morte e apego patológico à bens materiais, a amuletos, a pessoas, coisas, locais, casas, terrenos, objetos, aos mortos que se foram, às psicografias, aos médiuns como esperanças de comunicação com seus apegos do além morte, sejam eles quais forem e, as disfunções e transtornos tão estudados pela psicopatologia são comuns à grande massa humana, o qual me incluo como portador de momentos disfuncionais de ansiedade e angústia e cuja proposta deste ensaio é justamente transcender e resolver tais estados definitivamente.

3. A grande massa humana não apresenta parapsiquismo lúcido, porém místico, ou se projeta com lucidez para outras orbes do holocosmo e não estão lúcidas para a cosmo-realidade, interpretando os fatos mais parapsíquicos, ou do prisma mais religioso ou do prisma cético como tem feito a ciência ortodoxa, com o que chamei de Síndrome de Blackmore.

4. Os desvios desta normalidade (no caso, a serenidade) são comumente tratados como "algo estranho", como anomalia, como anormalidade, como problema, e mesmo loucura. Os cientistas, meditadores e outros assim, muitos deles bem serenos, são tratados como loucos, insanos e/ou estranhos.

5. A serenidade, portanto, gera maior transtorno a massa humana em geral do que alívio, amparo ou elucidação. Por outro lado, a morte, o sofrimento, e os estados psicopatológicos citados acima, são os mais fáceis de serem acolhidos e mesmo vendidos, como tem feito a mídia e a indústria da insanidade.

6. Em virtude disso obviamente as consciências mais evoluídas neste planeta acabam por se tornarem aos poucos anônimas em suas manifestações e exposições, para que possam maximizar sua tarefa aqui, em autorespeito e em respeito aos outros, evitando qualquer conflito a um grau de precisão que podemos chamar de máxima, em nosso nível de evolução ainda conflitante. Importante aqui expor que a serenidade para a massa humana geral é recebida como agressão. A serenidade interna, sólida, vívida, exposta, gera desconforto profundo no outro que, instintivamente, visa repelir tal ameaça, provocando ataques verbais e mesmo energéticos e físicos, para neutralizar o suposto agressor (distorção cognitiva). No caso, é impossível que a serenidade por si mesma seja agressiva. O que é insuportável é a massa humana geral perceber-se em autodiagnóstico instantâneo do nível evolutivo pessoal, a partir do contato direto com a serenidade consciencial. A serenidade estrutural total, permanente, é insuportável para a massa humana geral. Incluo-me nesta massa.

7. Em razão disso, a saúde integral é antagônica à vida social normal, comum, que estamos habituados a viver. A serenidade abala o sistema social, o Direito, o Estado Coercitivo, o Direito Penal e vida social estruturada na psicopatologia, ou melhor, no caso da Terra, na psicopatia grave da indústria da guerra, da violência e da insanidade mental. Parece-me que a vida alternativa, anônima e mais holocósmica é a via natural de evolução até a completa libertação do vínculo direto com a Terra, com a necessidade de oscilações interdimensionais ("ciclo de reencarnações") até a vida permanente em onipresença anônima e invisível próprio das dimensões conscienciais puras do holocosmos.

VI - Do Anonimato Inevitável e da Auto-construção do Caminho da Auto-serenização

Diante disso, precisamos nos preparar progressivamente, vida após vida, para a vida anônima, em relação à grande maioria das consciências e não-anônima para vida holocósmica, holodimensional, onipresente, em fusão holocósmica.

O "caminho", como já lucidamente expôs o professor J. Krishnamurti, é pessoal, intransferível e necessita de uma liberdade aguda de expressão e uma liberdade também aguda de nos libertar de instituições, paradigmas, modelos pré-concebidos, crenças, memória e tudo que nos impede de estarmos lúcidos no agora, holocentrados no estado de serenidade. A serenidade é a resultante também da liberdade interna e da paz consciencial.

Como aprendiz da serenidade, retomamos o começo da questão aqui trabalhada: sintomas de desconforto psicofisiológico > angústia/ansiedade > pendências e diagnóstico > resolução planejada de pendências > alívio progressivo e momentos de serenidade consciencial > gestão permanente de pendências > vida preventiva de conflitos internos e interconscienciais > criação progressiva de estrutura para dar suporte ao estado de serenidade e a vivência no espaço-tempo do agora...

VIII - Consideração Final

Este caminho pode não servir a ninguém além de eu mesmo, mas poderá servir de inspiração a você construir seu próprio caminho de auto-serenização e pacificação interna, assim como uma vida mais alegre, feliz e essencialmente íntegra. Este caminho pode tranquilamente ser facilitado e ajudado por um psicoterapeuta ou outro profissional experiente que compartilhe desta posição.

De qualquer forma, e baseado no professor Sylvan Muldoon (1929):

Não acredite que o caminho que eu construo para mim e que exponho aqui serve para você ou serviria para você, ou que as técnicas que apresento aqui são exatamente para você. Sinta sua angústia e ansiedade em profundidade, constate-a, não fuja dela, encontre ela, investigue suas causas e descubra-se com honestidade, compreenda-se, supere-se com autonomia. Antes de tudo, construa o seu próprio caminho com liberdade e se o seu caminho for parecido com o que eu estou construindo aqui, ótimo, estas técnicas ou o que escrevi aqui podem ser úteis a você e podemos dialogar prazerosamente sem conflitos. Se não for, também não tem problema, apesar da diferença de caminhos, poderemos ainda sim, dialogar de forma prazerosa sobre um caminho diferente, sem conflitos. Por que não existe competição. Por que não existe verdade. Por que não existe algo como "o melhor". Por que nada é de ponta. O holocosmos é infinito em caminhos e destinos, paradigmas, conceitos, percepções de realidade... O que apresento aqui reflete quem eu sou e só existe um como eu. O que eu faço aqui no Planeta cabe a mim. Então, o que você veio fazer aqui, cabe a você. Isto impossibilita competição e é o fundamento da ajuda interconsciencial. A competição é a fuga daquilo que viemos fazer aqui e de quem somos. Então, resta a você assumir o comando de sua existência e de sua consciência, inventando um modo de viver e de ser feliz. E este modo é você ser quem você é, com liberdade e responsabilidade.