Terapia de Vidas Passadas e Pesquisa Científica da Retrocognição

Acesse meus ensaios sobre minhas experiências retrocognitivas, de terceiros e implicações científicas.

Conscienciologia, Projeciologia, Experiência fora do Corpo, Projeção Lúcida (Astral)

Acesse meus ensaios sobre minhas primeiras experiências extracorpóreas ainda no útero de minha mãe até minha idade atual.

Holocosmologia, Samadhiologia (Serenologia), Função psi-ómicron, Yôga, Tao, Meditação

Acesse meus ensaios sobre a Holociência e o método para o acesso holocósmico.

Ufologia Avançada, Parapsicologia Experimental (psi-ómicron) e Autoexperimentação Parapsíquica

Acesse meus ensaios sobre a correlação entre os fenômenos psi-ómicron, a Ufologia Avançada e experimentação direta.

29.5.18

O Fim do Estado.

Fernando Salvino, MSc.
Parapsicólogo, Psicoterapeuta, Prof. Tao Yôga e Tai Chi Chuan
Coord. LAC - Laboratório de Autopesquisa da Consciência e do Yôga (HU-UFSC)
Bel. Direito e ex-Advogado membro da Comissão de Meio Ambiente da OAB/SC e Câmara Jurídica do Conselho Estadual do Meio Ambiente (CONSEMA/SC)



Os fatos recentes sobre a paralisação dos caminhoneiros no Brasil nos colocou em uma posição de refém de um abuso cometido por uma classe que é abusada por natureza e se coloca em risco psicológico e existencial para movimentar um sistema abusador por natureza: o Estado.

O Estado é a causa, é o verdadeiro criminoso que nos coloca como refém. Dissolver o Estado, o único caminho para a resolução da sócio-perturbação.

E quando falo em dissolver o Estado estou falando em resgate da ordem, da anarquia verdadeira. Pois Estado é sinônimo de coerção e violação de direitos, usurpação de garantias e promessas vazias que privilegiam o poder, muito embora nas condições em que se encontra o atual Estado, o poder se mostra não facilmente localizado. Está se movendo rapidamente de um ponto a outro.

O que é o Estado?

O Estado é a institucionalização da violência legítima para privilegiar a luxúria, a ganância e as relações de dominação e subjugação de alguns contra muitos. Estes alguns e estes muitos mudam incessantemente, onde ora o dominador domina e ora se torna dominado, migrando para o grupo dos muitos e vice-versa.

O Estado é a doença social em sua manifestação mais visível. Usando do Direito para se manter enquanto promessa de um dever-ser que raramente é, é uma ficção que perturba a mente dos leigos e ignorantes quanto a sua real natureza.

Assim, o Estado precisa ser visto tal como é, e não como deve-ser. Enquanto situado no plano do dever-ser, o Estado é a utopia de democracia e da dignidade aos direitos humanos fundamentais. Por outro lado enquanto o que é, o Estado se mostra como a maior aberração já existente na Terra, colocando não só os próprios humanos como reféns, mas como a Terra e toda a biodiversidade assim como até mesmo o Sistema Solar, com a ameaça atômica iminente.

A parada dos caminhoneiros é a voz do Estado. A retomada das atividades de produção é a continuidade da voz do Estado. Em sua natureza de predador da vitalidade, o Estado continuará até o ápice necessário a sua extinção inevitável na Terra.

É o Estado que cria fonteiras, pois é ele mesmo o gerador de fronteiras. É o Estado que separa os povos, os países, as línguas, as culturas, e demarca territórios, cria títulos de propriedade, cria o posseiro, cria o sem terra, sem teto, sem trabalho, e cria o trabalhador e o empregador. O Estado é a doença que mata a família verdadeira, é o que cria prédios quadrados, é o que polui a atmosfera com dejetos de foguetes e satélites. É o Estado que gera desemprego para controlar a economia e produz empregos para aumentar o consumo de produtos que estão em estoque. É o Estado esta máquina insensível que produz anestésicos que visam dopar a humanidade da percepção da verdade.

Mas afinal, o que é o Estado? Bom, o Estado não é o que você pensa que ele é, um órgão que visa garantir os direitos de dignidade humana e garantias fundamentais. O Estado não é o que está nas Constituições liberais e democráticas. O Estado é o que não é nada disso. O Estado é justamente o centro gerador de toda a perturbação social. E este centro é o que são aqueles que formam o Estado. O Estado não se localiza num prédio, num cadastro de pessoa jurídica, num número, numa Lei, numa Constituição.

O Estado está dentro de cada um.

O Estado é a forma perturbada que seres perturbados vivem socialmente.

O Estado é você, sou eu, em sua expressão perturbada. É toda a violência, injustiça e traumas que existem dentro de mim e de você.

O fim do Estado é o fim da perturbação. Somente seres não perturbados são capazes de viver livres do Estado. Sem receita federal, sem pagar impostos, sem propriedade sobre bens e livres de registros e controles de todas as ordens, com lucidez e clareza sobre a convivialidade lúcida, sadia e justa. É de direito dos seres lúcidos e isentos de perturbação, viver numa sociedade isenta da mesma forma, uma sociedade sem Estado.

Porém, para dissolvermos o Estado é necessário que eu e você dissolvamos toda a perturbação que existe dentro de nós e pararmos de gerar perturbação e passarmos a gerar saúde e mais paz para os que nos rodeiam.

Livre de falsidade, livre de mentira, livre de promessas vazias, próprias dos gurus do Estado, é pela dissolução de todas as fronteiras internas e pela dissolução de todo o mal que existe dentro de nossas almas que estaremos criando um bom futuro para a humanidade e para a Terra.

A situação da Terra é digna de sério exame lúcido. Uma crise generalizada e um adoecimento progressivo da humanidade se mostra ocorrendo progressivamente. Espécie de pandemia de uma doença psíquica e existencial disfarçada de normalidade. É o aviso do Fim do Estado.

Pois que se não for por este caminho, permaneceremos no caminho que estamos, que é o caminho de agravar esta doença generalizada na Terra que levará a situações cada vez mais delicadas, opressoras e desastrosas para a vida social comum e para os demais seres vivos desta Terra. Tempos obscuros nos aguardam caso ações não sejam tomadas em micro e macro escala.

Por outro lado se tivermos, como as evidências parecem apontar, a visita extensiva e pública de alienígenas neste planeta e que possa provocar as maiores crises existenciais já vistas na história, talvez tenhamos alguma esperança lúcida de mudança a curto e médio prazo.

E que aconteça o melhor para todos sempre.