Terapia de Vidas Passadas e Pesquisa Científica da Retrocognição

Acesse meus ensaios sobre minhas experiências retrocognitivas, de terceiros e implicações científicas.

Conscienciologia, Projeciologia, Experiência fora do Corpo, Projeção Lúcida (Astral)

Acesse meus ensaios sobre minhas primeiras experiências extracorpóreas ainda no útero de minha mãe até minha idade atual.

Holocosmologia, Samadhiologia (Serenologia), Função psi-ómicron, Yôga, Tao, Meditação

Acesse meus ensaios sobre a Holociência e o método para o acesso holocósmico.

Ufologia Avançada, Parapsicologia Experimental (psi-ómicron) e Autoexperimentação Parapsíquica

Acesse meus ensaios sobre a correlação entre os fenômenos psi-ómicron, a Ufologia Avançada e experimentação direta.

16.2.15

Svadhyaya: Ensaio sobre a Autopesquisa da Consciência através do Yoga

Yogue chinês deixando o corpo
em meditação microcósmica.
Fernando Salvino (M.Sc)
Parapsicólogo, Psicoterapeuta
Professor, Praticante e Pesquisador do Tao Yoga - Tai Chi Chuan, Holocosmologia e Ciências Avançadas da Consciência



O Yoga é aos olhos do preconceito e mesmo do leigo desinformado alguma coisa ligada a malabarismos ou simplesmente ficar sentado sem fazer nada, ou meditando e assim por diante. Infelizmente o Ocidente consegue diminuir qualquer contribuição significativa que não tenha sido produzida em território ocidental.

Apesar da mistificação dada por gurus de todos os tipos, e por ser a ciência um feito difícil de ser efetivado, ainda mais uma ciência da consciência pautada em autoexperimentações, autopesquisas e tão dependente assim do sujeito que é ao mesmo tempo objeto de si mesmo, entre os anos 200 a.C e os anos posteriores a cristo, Patañjali nos deixou o legado do Yogasutra como o tratado racional expondo a sistemática do Yoga enquanto caminho definitivo para a dissolução das perturbações, o assentamento no samadhi e a liberação total do ser, ou kaivalyam. Simples assim. Nem menos, nem mais.

Patañjali sintetiza:

"A realização do Yoga provém da disciplina e desapego, do auto-estudo e da auto-entrega."

A antiquíssima ciência do Yoga, que tem em sua realização, ou Krya Yoga, a autopesquisa (autoestudo, auto-observação, autoanálise, intuição de si mesmo, acesso à sabedoria interna e entrega à sabedoria interna) ou o estudo de si mesmo como o centro mesmo para a auto-entrega ou o caminho de cada um no universo.

Então, o Yoga em nada tem a ver com malabarismos, ginástica ou contorcionismos, como vem sendo atacado por leigos e desinformados, e não raro, por pessoas de índole de bem, porém, influenciados por opiniões de outras pessoas nada informadas, como é o caso da comunidade associada a Waldo Vieira, que desconhecem o que é realmente o Yoga e sua real função como ciência aplicada da consciência, em uma perspectiva de autopesquisa evolutiva em direção ao que chamou Patãnjali de kaivalyam.

Assim, define Patañjali que a realização do Yoga se dá pela disciplina e desapego, pelo esforço em permanecer no recolhimento dos meios de expressão da consciência e ater-se ao centro em si mesmo corrigindo a percepção de si e da realidade, no acesso direto ao saber interno e na entrega a este saber, até a liberação total do ser, ou kaivalyam.

Svadhyaya é assim a autopesquisa parapsíquica, profunda, do Yoga assim sistematizado por Patãnjali, e estando num dos angas iniciais, ou o Nyama, está contido em todos os demais angas, como forma de orientação a prática correta do Yoga.

Yoga sendo a união do microcosmo ao macrocosmo, em um estado superior de holofusão, ou kaivalyam, além ainda do samadhi (a condição para a meditação), tem em svadhyaya seu principal suporte, visto é através dele que desenvolvemos o correto discernimento que corrige a confusão das perturbações geradas pelo apego, aversão e outras formas de perturbação e obstáculos.

A ênfase na auto-experimentação levada a cabo por uma disciplina e um desapego persistente, acompanhado de uma autopesquisa criteriosa, parapsíquica e racional, assim como um assentamento na autoconfiança quanto a entrega à sabedoria interna faz do Yoga, em minha opinião, a sistemática mais completa para a evolução da consciência, sendo todas as demais derivações em menor ou maior grau do Yoga real, ou Raja Yoga.

A autopesquisa da consciência através do Yoga inicia primeiramente pelo estudo aprofundado do Yogasutra, obra das mais profundas já escritas na humanidade. Com o estudo iniciamos um autoestudo indireto, convidados por Patãnjali a trilhar os quatro capítulos que esclarecem o sentido da existência humana e a verdade por detrás das perturbações e como dissolvê-las definitivamente. Após tem-se nos angas ou nas partes da ampla sistemática do Yoga, sendo que as primeiras são regras de restrição ética e a segunda regras de autoaperfeiçoamento. Diante de tais pressupostos epistemológicos da auto-ciência do Yoga, o praticante vê-se diante de si mesmo e em relação aos demais seis angas, todos trabalhando as regulações que se iniciam na regulação do centro intencional da consciência (chamada por Patãnjali de citta) seguindo dos demais angas, que regulam a força física, o alongamento e fortalecimento dos músculos e tendões (ásanas) seguindo da prática correta da respiração e movimentação da energia (pranayama). Após regula-se o recolhimento (pratyahara) preparando para a correta concentração num único ponto (dharana). A partir disso, ocorre a meditação num único objeto (dhyana) para que o praticante alcançe o samadhi e inicie a meditação. Pela meditação o Yoga prevê a meta superior do kaivalyam, quando extingue-se qualquer noção de um eu separado do mundo, num estado de dissolução hiperlúcida-holocósmica de consciência, pondo fim a necessidade de um ego e dando início ao fim de todo mal e a manifestação de todo o bem universal.

Estes últimos estágios do Yoga acompanham experiências parapsíquicas e projeciológicas, sendo comum praticantes avançados sairem de seus corpos com inteira lucidez e mesmo obterem as percepções parapsíquicas mais claras da realidade, associadas a função psi-gama, psi-kapa, psi-theta e psi-ómicron.