Terapia de Vidas Passadas e Pesquisa Científica da Retrocognição

Acesse meus ensaios sobre minhas experiências retrocognitivas, de terceiros e implicações científicas.

Conscienciologia, Projeciologia, Experiência fora do Corpo, Projeção Lúcida (Astral)

Acesse meus ensaios sobre minhas primeiras experiências extracorpóreas ainda no útero de minha mãe até minha idade atual.

Holocosmologia, Samadhiologia (Serenologia), Função psi-ómicron, Yôga, Tao, Meditação

Acesse meus ensaios sobre a Holociência e o método para o acesso holocósmico.

Ufologia Avançada, Parapsicologia Experimental (psi-ómicron) e Autoexperimentação Parapsíquica

Acesse meus ensaios sobre a correlação entre os fenômenos psi-ómicron, a Ufologia Avançada e experimentação direta.

19.11.15

Samadhiologia: Esboço Inicial sobre a Ciência do Samadhi

Fernando Salvino (M.Sc)


Primeira parte:

I - Das Considerações Iniciais

O assunto Samadhi vem sendo mistificado desde muito tempo atrás, em muitos casos para tornar o "mestre" (ou falso mestre) uma figura santificada e superior ao insignificante iniciante do Yoga. O que precisamos ter em mente com toda nossa honestidade é que o samadhi é experiência universal e acessível a toda inteligência predisposta, não necessitando da ampla técnica do Yoga como acreditam muitos.

O samadhi sem semente, ou o samadhi direto, não raro como todo fenômeno parapsíquico e sua natureza de imprevisibilidade, ocorre quando a pessoa menos espera, em situações pouco convencionais. Obtive uma vez um samadhi desta natureza quando, contemplando a natureza da praia do Luz, em Imbituba/SC, após uma sessão intensa de surf de 8h seguidas, desde a manha até o fim da tarde, ininterrupta, pude, sentado no costão, compreender a unidade de tudo e a convergência de tudo para um único ponto. Foi um instante, um insight fulminante, para-intelectual, além de meu pensamento, adentrei no samadhi e acessei swadhyaya.

Porém, esta experiência é vivenciada por muitas pessoas, não raro, pessoas comuns que nem mesmo conhecem o Yoga e sua avançada sistemática para o samadhi. O samadhi espontâneo, não construído, até mesmo você pode ter vivenciado em algum momento de sua vida, mesmo que tenha vivenciado por segundos, míseros instantes, no vislumbre da possibilidade de ausência total de perturbações e sofrimento, e na vivência do êxtase da unidade viva e divina. E por mais estranho que possa parecer, o divino é um aspecto indissociável do samadhi, pela maravilha da vida sentida e compreendida neste instante que se situa além do espaço-tempo desta dimensão gravitacional do sofrimento humano.

Assim, iniciarei este ensaio situando o samadhi como uma experiência e mais que isso, um estado de profunda estabilização consciencial e lucidez contínua, serenidade, paz de espírito, ausência de ansiedade, angústia e todo sofrimento associado a memória, desejo ou aversão. É o estar aqui e agora integralmente em paz de espírito e êxtase. Porém esta paz de espírito e êxtase como venho estudando em mim mesmo e nas aulas de Yoga com meus queridos alunos, varia como numa escala de profundidade.

O samadhi então não é o mesmo samadhi para todos. Há níveis de samadhi dentro de um espectro que vai desde a dissolução inicial da flutuação da mente (interrupção inicial do diálogo mental interno) até a fronteira entre o samadhi holocósmico e o kaivalya. O samadhi é o espectro experiencial que varia de 0 a 100 (por exemplo), nesta hipótese inicial de estudo. O 0 neste caso, é a fronteira entre o primeiro vislumbre de paz de espírito e interrupção do fluxo de pensamentos-emoções e a perturbação interna. 100 é o último estágio do samadhi antes do kaivalya (holofusão propriamente dita). Da mesma forma, kaivalya também não é o mesmo kaivalya para todos. O kaivalya do ser encarnado (na condição intrafísica, orgânica) é diferente do kaivalya do ser desencarnado (na condição extrafísica, inorgânica). Até mesmo na condição extrafísica, o kaivalya pode ser o kaivalya do ser que ainda persiste no uso do veículo psicossoma (corpo astral) ou o kaivalya daquele que está livre das reencarnações, o qual usa da consciência livre ou o espírito puro na holofusão direta com Brahman ou Tao.

Patañjali não pode esclarecer estes aspectos no Yogasutras, que são aspectos mais específicos e emergentes da prática da meditação profunda. A vivência do samadhi aponta para uma escala progressiva e ascendente de holofusão. O Yoga taoista chama isto de 5ª regulação, ou a regulação do espírito (shen) até a refinação de shen (tai-ji) à wu-ji (kaivalya). A samadhiologia visa o entendimento espectral do samadhi e a compreensão do ponto onde se situa kaivalya.

Esta forma de lidar com o samadhi e com o Yoga evidenciam que estamos agora adentrando na ciência do Yoga como foi o intento de Patãnjali desde sua obra de arte, o Yogasutras. Aqui não iremos dar importância aos ensinamentos místicos e confusos dos falsos mestres que não exploram o assunto. Penetraremos no campo sem medo e com coragem de compreendermos esta vivência essencial para a humanidade e para a resolução definitiva de nosso sofrimento em direção a uma vida de maior êxtase e serenidade.


II - Da Definição Básica de Samadhi

O Samadhi foi assim caracterizado no compêndio de ciência do Yoga, chamado Yogasutras redigido pelo mestre indiano Patañjali, como objetivo da meditação intensa ou profunda (Samyama) e o começo do Kaivalya. Assim a meditação intensa visa produzir o samadhi e minimizar as perturbações. No entanto, como pesquisadores do Yoga, sabemos que o objetivo da sistemática do Yoga não é o samadhi. O Samadhi é a condição inicial do Yoga, ou melhor, seu primeiro nível. Este nível porém não é tão simples como imaginamos ao estudar a obra do mestre.

Samadhi é engloba uma ampla vivência, que varia em:

1. Intensidade
2. Profundidade
3. Transcendência
4. Natureza do saber acessado
5. Posição no espaço-tempo-dimensão-consciência-energia
6. Veículo (condição de coexistência holossomática da consciência intrafísica, extrafísica ou projetado)
7. Paz interna e Serenidade.
8. Proximidade ao kaivalya

Retornamos a definição de Yoga dada por Patãnjali:

Yoga é o recolhimento dos meios de expressão da mente (consciência). Ou noutra forma de compreendermos, o Yoga é a dissolução ou suspensão das ondulações da consciência ou das oscilações de lucidez. Podemos ainda compreender o Yoga como a conservação do estado de lucidez contínua a partir da dissolução da perturbação primária, ou a falta de sabedoria (no caso, a sabedoria interna e quanto ao universo).

Os meios de expressão são 5, na forma perturbada ou saudável: evidência, imaginação, inventividade, sono e memória.

A raiz de todas as perturbações é a "falta de sabedoria". A falta de sabedoria é decorrente da distorção da percepção clara da realidade, onde o sujeito confunde o puro com o impuro, o eterno com o transitório, bem estar no desagradável e individualidade naquilo que não é individual. A partir desta confusão ocorre o desejo, a aversão, a egoidade e o apego a vida como perturbações secundárias.

O Yoga visa dissolver a perturbação primária, ou a falta de sabedoria, a partir da correção da percepção correta da realidade. A busca do saber interno (dissolução da falta de sabedoria) associado à disciplina e ao desapego e a confiança na orientação interna (autoentrega) tem a finalidade de produzir o samadhi. E aqui chegamos no samadhi, dentro da concepção da ciência do Yoga.

Assim, a realização do Yoga ou sua efetivação prática se dá através de 3 pressupostos onde um é pre-requisito do outro:

1. Tapas: disciplina, perseverança no recolhimento (Yoga) e desapego (de tudo quanto atrapalhe o caminho do Yoga).

2. Swadhyaya: autoestudo, autopesquisa, autoinvestigação, busca do saber interno.

3. Entrega ao Içvara: autoentrega, viver de acordo com o saber interior, autorientação baseada no saber interior decorrente de swadhyaya.


III - Das Questões Básicas quanto ao Samadhi

O samadhi enquanto fenômeno é tão abstrato que necessita de parâmetros para que possa ser auto-estudado. Algumas questões:

1. Como você sabe que alcançou o samadhi?
2. O que é realmente o samadhi enquanto fenômeno parapsíquico?
3. O que ocorre com o corpo, com as emoções, com as energias, com a respiração, com o espírito durante o curso do que chamamos samadhi?
4. Quais as sensações subjetivas gerais do vivenciador do samadhi?
5. Quais as conexões entre consciência e holocosmo durante o curso do samadhi?
6. Qual a natureza da consciência sem pensamentos no curso do samadhi?
7. Porque o êxtase transcendental aparece no curso do samadhi?


9.11.15

Agradecimento aos 130.000 acessos!

Agradecimento aos 130.000 acessos!

Em 2003 comecei esta tarefa aparentemente simples de dar a público o que ficava antes restrito ao HD de meu computador e cadernos de pesquisa e anotações. A tarefa iniciou com a publicações usando o recurso básico do word e após a conversão do arquivo em pdf para download. A burocracia começou a se tornar empecilho para a dinamização das publicações. E em 2009 as publicações começaram a ser redigidas online através dos recursos do sistema do blog. O blog então se tornou a revista consciencia onde constam todas as minhas publicações, vivas e integrais. Os textos não são revisados e são publicados organicamente, vivos e sem revisão de texto. É como um parto, sai do jeito de sai. É a maiêutica pura.

O movimento de autopesquisa tomou proporções muito além do que tudo que vislumbrava para minha vida. A cada ensaio publicado tento tomar a forma do movimento que em mim se faz todos os dias, tanto em meu trabalho clínico como parapsicólogo e tendo já facilitado centenas de regressões a vidas anteriores com meus pacientes, como de todo o movimento interno que aprendo e vou me aprimorando, refinando. A cada encontro com meus pacientes é um aprendizado profundo de autenticidade e não-violência, amparo e expansão de consciência, orientação evolutiva e autosuperações profundas. Cresço junto com todos os meus pacientes. Os ensaios expõe minha vida naquilo que considero o mais essencial.

A primeira área é o movimento de reintegração parapsíquica integral, regeneração geral de si mesmo, refinação de traços e tendências, refinação de meus aspectos mais rudes e violentos até o cume do samadhi ou a dissolução de todas as minhas perturbações interiores. Os ensaios mostram o meu esforço continuado, ininterrupto por mais de 1 década, com disciplina e constância, num movimento essencialmente solitário de refinação interna até as experiências mais recorrentes de samadhi que me acompanham nos últimos anos. O encontro do Yogasutra, as rememorações profundas de minha vida na China e de meu contato direto com o mestre Yang Luchan, o meu envolvimento cada vez mais coerente e dedicado à prática e o estudo do Yoga e das experiências de espectro holocósmico associado a uma possível "samadhiologia" ou a pesquisa científica do samadhi, dentro da função psi-ómicron. O primeiro campo, Yin, é o Yoga.

A segunda área é essencialmente o cosmo e tudo o quanto podemos vislumbrar como realidade máxima universal. Chamei também de Holocosmologia, a realidade total, integral de tudo quanto podemos vislumbrar como realidade e existência, na coesão indivisível de espaço-tempo-dimensão-energia-inteligência. Holofusão, conselhos de calibração, amparadores de espectro holocósmico, amparadores extrafísicos do Yoga, do autoestudo técnico e científico... E o estudo e prática do Tai Chi Chuan em sua natureza essencial de Yoga e como método profundo de aprendizado do samadhi em movimento e da transparência (wu-ji). O segundo campo, Yang, é a Holocosmologia.

Ambos caminham juntos, formando uma unidade indivisível. Através do Yoga vislumbramos a realidade total, kaivalya, na união com Brahmam (Tao), observando a divindade  e a maravilha da existência, no êxtase sereno proporcionado pela dissolução do samadhi de volta a vacuidade universal e holocósmica do wu-ji (holofusão). E através da Holocosmologia começamos a compreender mais o "lugar" onde estamos vivendo.

Om Namashivaya a todos!

Fernando Salvino.