9.3.10

Sendo quem você é: o primeiro passo para a resolução de seus problemas

Por Dr. Fernando Salvino - Parapsicólogo Clínico
Dúvidas e questões: parapsic@parapsicologiaclinica.com


Uma coisa é possível afirmar com uma certeza relativamente certeira: todos nós nascemos para sermos quem somos. É um ensinamento simples, mas vou aprofundar um pouco este assunto.

Desde que você e eu somos pequenos fomos ensinados a não ser quem somos. Que estranho soa isto não? Pois é... faça um exercício: lembre-se de todas as vezes que recebeu algum tipo de repreensão pelo simples fato de ter sido quem você é. Por ter chorado, por ter falado de um jeito assim ou assado. Por ter dado gargalhadas quando era proibido fazer barulhos..... Provavelmente passará um filme em sua mente. Seja lá o que houve, ser quem você era não era assim tão confortável. Papai ficava brabo, mamãe surtava ou repreendia, ou a tia da escola ou seja lá quem for. Os fatos indicam que estamos sendo educados dentro de um modelo que deseja que 'não podemos ser quem somos'. Não falo da escola, falo da sociedade que é produto de milhares de anos. Falo de Adão e Eva, que foram expulsos do paraíso por serem quem são [pelo Deus punidor e monarca].

E porque a educação, da familia a sociedade, aplica esta educação, desde que somos pequenos? Ou para irmos mais a fundo, esta educação pode estar nos acompanhando desde muito tempo, já nas vidas anteriores.... Mas porque não podemos ser quem somos?

Reflita um pouco agora e chegue em suas conclusões. Agora vou colocar algumas conclusões pessoais a respeito deste fenômeno, muito estranho.

Quando você não pode ser quem você é, então quem você está sendo?

Você [se for o caso deste texto] está sendo uma representação viva das expectativas que os outros tem de você [pais, familiares, cônjuge - esposo, esposa, a televisão, os jornais, as noticias, as novelas...] e de suas crenças distorcidas de si mesmo(a).

Qual o problema de 'sermos o que os outros querem que sejamos'?

Escolhemos rumos para nossas vidas em que não partem de decisões internas e centradas no nosso anseio mais profundo, no desejo mais profundo que temos dentro de nós.

E, quando escolhemos caminhos que são os 'caminhos dos Outros'; caminhos que são escolhidos pelos outros e reproduzidos por nós, o resultado disso tudo no fim das contas é: doença.

A doença é o resultado visível... é a mensagem diretamente dirigida até você para te avisar que está fora de seu Caminho. A doença mostra que você tem vivido uma vida afastada de seu núcleo mais profundo, de seu anseio de estar no mundo e do que o motivou a 'reencarnar' e estar aqui, vivendo.

Mas, não falo aqui somente das 'doenças do corpo'. Falo aqui principalmente, das 'doenças da mente', das 'doenças das emoções' e das 'doenças da energia'.

Vou por partes, como diz o povo.

As 'doenças da mente' estão no nível das idéias e sentimentos; da representação que temos da realidade. Esta representação da realidade existe por causa de nossas experiências boas ou ruins do passado. Estas experiências vão formando nossas crenças a respeito de nós mesmos e do mundo, das pessoas e das coisas, do dinheiro e do sentido de estarmos aqui. Se nossas idéias estão distorcidas, ou se alimentadas por crenças errôneas a respeito da vida e da realidade de nós mesmos, então, estas idéias vão se tornando o modelo padrão, como se ficassem congeladas na energia que temos. Nossa energia então, vibrante, tem dentro dela, uma porção congelada, cristalizada. Esta porção cristalizada, que são a expressão de nossas crenças distorcidas da vida e da realidade, bloqueiam a energia e, no fim das contas, geram a doença no corpo. Estes 'núcleos congelados de energia', são o que chamamos de 'traumas'. Os traumas geram doenças no corpo. Os traumas são a fonte de nossa irracionalidade e a fonte de nossa infelicidade. E alimentamos esta crença com nossos pensamentos que temos agora. Escolhemos continuar a viver o mundo desta ou daquela forma, porque acreditamos que o mundo é isso ou aquilo.

Neste exemplo inicial temos uma menina, com 7 anos de idade, é abusada sexualmente pelo pai [incesto]. Sabemos que o incesto é proibido, mas mesmo assim, o pai tivera relações com a filha que, pela idade, não tinha a noção nem a consciência do ato que estava praticando. Isenta de culpa ou moralidades, simplesmente deixou-se ir no impulso do prazer de uma criança inoscente de 7 anos. Após esta relação, começa a acreditar que o pai é o homem dela. O pai desperta na criança o desejo sexual quase adulto. E começa a ter graves ciumes da mãe. Um dia vê os pais indo tomar banho juntos e grita com a mãe para não fazer isto. Sente-se traida [nisto ela já tem 11 anos e os abusos permaneceram]. O irmão mais novo pega o pai e a irmã em flagrante na relação e conta para a mãe, que repreende a filha e não repreende o pai. A mãe na ocasião diz, surtando aos prantos e com voz de autoridade extrema: "Sua vag... sua p....." e inicia ofensas graves contra a filha. A menina, já uma adulta com quase 30 anos de idade, não conseguia estabelecer qualquer vinculo com homens em relacionamentos, porque sente-se internamente, uma mulher horrível e culpa-se mortalmente por ter traído a propria mãe com o proprio pai.

A essência deste caso [baseado em história real] é que a menina, hoje uma mulher, está congelada em suas crenças negativas sobre si mesma [autodestrutivas, autodepreciativas, auto-odientas]. A idéia que ela faz de si mesma, faz dela uma mulher horrível e não merecedora de ser feliz. A mãe, ao fincar na mente da menina as crenças que tinha a respeito dela, fez que a menina acreditasse na mãe, e, por consequencia, acreditasse que é uma pessoal horrível. Hoje o que ela pensa de si, é uma fantasia de si mesma. É uma fantasia acerca de quem ela realmente é. Obviamente, ela não é esta pessoal horrível, e sim vítima de abuso sexual cometida por um adulto. Ocorre que, a mãe passou para a filha, naquele momento, o significado daquela experiência e a menina acreditou na mãe. A menina acreditou que ela era justamente aquilo: aquela pessoa horrorosa.

Estas crenças distorcidas, tem como base, o ódio que a mulher hoje, sente dela mesma, por ter feito isto. Este ódio é a origem do inferno que foi sua vida durante anos. Este ódio levou a menina, na adolescência a ter relacionamentos insatisfatórios com homens que não gostavam de sexo, homens que não a desejavam como mulher, e, portanto, sentia-se mal amada e rejeitada. Isto só reforçava a crença de que era uma mulher horrivel e não merecedora. Suas crenças impediam ela de estar com um homem que a desejasse por completo. E assim, aos poucos, ela lembrou de seu passado. Em terapia de regressão, voltou no tempo e lembrou que após ter visto o pai indo com a mãe tomar banho, e após a mãe te-la repreendido no ciume expresso, não mais desejava a relação com o pai. Dos 7 anos em diante, o pai forçava a relação e manipulava a criança de que iria contar para a mãe e a mãe não acreditaria nela. Ela se via forçada a ter relações com o pai. Em regressão, conseguiu acessar a verdade de seu passado e conseguiu aos poucos se perdoar do que fez e a viver uma vida de maior amor próprio. Hoje, aos 41 anos, foi se libertando aos poucos de suas crenças negativas a respeito de si e conseguiu compreender-se mais, aceitando-se e perdoando-se pelo seu passado. Aos poucos foi voltando a permitir-se desejar e voltar a viver um relacionamento. E hoje está com um homem que a faz bem e a trata de forma amorosa, onde, após mudar suas crenças sobre si mesma, conseguiu encontrar alguem também legal para tentar uma relação.

O poder das crenças sobre nossa vidas é imenso. Neste caso, a pessoa acreditava que merecia sofrer e ser punida pelo que fez, e que era uma mulher horrivel pelo que fez. Se não tivesse revisto sua vida mental e emocional, poderia teer parado num Hospital Oncológico, fazendo parte da lista de pacientes com câncer.

Noutro exemplo, temos um homem, advogado, que, em vida passada, era um soldado americano que teria morrido morto a pancadas pelas armas dos soldados vietnamitas. Nesta vida expressava um medo quase irracional de apanhar. Não tinha a menor noção das razões de seu medo. Isto o atrapalhava em sua vida e ele acreditava ser uma pessoa covarde e inferior aos outros homens. Evitava confrontos e prejudicava sua profissão. Na primeira sessão de 'terapia de vidas passadas' lembrou do exato momento em que estava flutuando sobre seu corpo. Ele estava vendo exatamente a cena [quando já estava morto] de seu corpo, dependurado de cabeça para baixo, e os soldados vietnamitas surrando-o. Ele era médico e foi enviado ao Vietnã. Chegando lá, a guerra estava terminada e o Vietnã já tinha ganho a guerra. O homem fugia dos soldados e passava fome e sede, quando desmaiou no chão. Acordou com os soldados em cima dele que o levavam para a surra. No caminho o homem morreu de exaustão. Após ver-se ali [seu corpo] apanhando, sentiu-se lúcido e sereno flutuando, observando a cena com pacifidade, quando veio um presença de pura energia e o levou a outro local. Ele sentia-se seguro e isento de qualquer medo. Após esta experiência, o homem não mais sentira este medo irracional de apanhar e sua vida começou a andar. Sentia-se seguro e feliz e compreendeu mais quem ele é. Depois desta experiência, ela gerou outra crença, a crença em si mesmo, na segurança íntima e na vida.

Em ambos os exemplos, clínicos, as pessoas, tanto a mulher como o homem, não estavam sendo eles mesmos. A mulher, estava sendo aquilo que a mãe acreditava que ela fosse. Ao incorporar as crenças da mãe dentro de si, acabou expressanado as crenças da mãe em sua vida. O homem, por outro lado, acreditava que o mundo era ameaçador [como eram aqueles soldados vietnamitas] e seu medo de apanhar o fazia acreditar que era covarde [como acreditavam os vietnamitas]. Nos dois casos, aqui exemplificados, ao retornarem a ser quem são de verdade, sentiram-se mais felizes e realizados em suas vidas. Amaram-se mais e abriram-se mais para a vida.

Este retorno para 'ser quem você é', marca uma trajetória de vida e de novas experiências que poderão reformular as crenças antigas distorcidas e odiosas, para novas formas de ver a si e a vida, dentro de uma visão positiva e realista da existência. Este caminho de retorno chama-se 'missão de vida'. E responde a pergunta: 'porque decidi reencarnar?'

Eu, você e todos nós, nascemos para aprender a ser quem somos. Ser quem somos significa viver de uma forma que não nos traimos. Viver de uma maneira que possamos nos amar, nos perdoar dos erros passados e viver de acordo com o anseio que temos lá dentro de nós. Viver de acordo com o que nos trouxe aqui: o motivo pela qual decidimos vir para cá.

Alguns podem me dizer:

- "Mas Fernando, se eu começar a ser quem eu sou, irei ter problemas."

Ou num nivel mais grave ainda:

- "Fernando, se eu começar a ser quem eu sou, não vou mais suportar meu marido. Hoje eu tomo fluxetina porque se deixar de tomar, não sei se aguento mais ele".

As evidências concretas do momento mundial que vivemos é este: o Planeta é como um 'Hospital Psiquiátrico". O mundo ressona em violências de todos os tipos e a humanidade sente muita dor. As pessoas perambulam por aí e vão vivendo como dá. Nascem, crescem, envelhecem e acabam indo sem consciência do estavam fazendo aqui. Viveram uma espécie de 'sonho'.

Se você se sente perdido(a) ou vivendo uma espécie de 'sonho', ainda há tempo. Não importa a idade. O tempo é uma criação humana [um outro 'sonho']. Todos nós temos milênios de idade. Se tem 20, 30, 40, 50, 60... pouco importa. Experimente ficar consciente, ficar lúcido. Você pode perguntar a si mesmo várias vezes: Quem sou eu? O que faço aqui? Vá a fundo nestas perguntas. É agora que a mudança começa. Você decide permanecer onde está ou caminhar. Examine sua vida com coragem e honestidade e arrisque: dê o primeiro passo. Você é o comandante da sua vida. Você é o(a) diretor(a) de sua escola chamada VOCÊ. Você é o(a) Supervisor(a) de sua escola chamada VOCÊ. Você é o Auxiliar de si mesmo. Você quem bate o ponto de sua vida. Você quem define para onde dará o próximo passo.

E, se tiver muita coragem, olhe-se no espelho por alguns minutos, bem no fundo dos seus olhos, no silêncio de sua intimidade, londe de todas as pessoas [dos filhos, da esposa, do marido....], sozinho(a) consigo mesmo(a) e: lembre-se quem você é.

E lembremos da máxima escrita há mais de 5.000 anos por Lao Tzu, na China antiga:

"AQUELE QUE VENCE OS OUTROS É FORTE.
AQUELE QUE VENCE A SI MESMO É PODEROSO.
AQUELE QUE MESMO NA MORTE NÃO PERECE, ESSE VIVE"

Um comentário:

  1. É incrível a forma como você coloca os assuntos abraçando casos que você nem tem idéia que aconteça com pessoas que você também não conhece.Trabalho em um centro holístico e sei de toda uma teoria, só que a prática é uma disciplina muito difícil. Meu sonho é fazer a TVP, mas minha cidade ainda engatinha nisso...paciência.
    Parabéns.

    ResponderExcluir

Caro(a) leitor(a), seu comentário é bem vindo!