19.2.19

Ensaio sobre a Sinceridade, sobre a Ciência e Verdade

F.S.

Eu não vejo outra possibilidade para a ciência do que todos nós sermos o mais sinceros e verdadeiros naquilo que pesquisamos e publicamos. Parece até contraditório, pois ciência busca a verdade! E como eu vou encontrar a verdade estando preso a politicagens próprias das academias científicas? Ou dos círculos de pesquisadores, revistas científicas, congressos, simpósios, e assim por diante?

A verdade não pede licença! A verdade não é moral ou imoral! A verdade não respeita regras de etiqueta ou cita fontes baseadas nas normas de ABNT ou similar!

A verdade entra de sola! A verdade mostra sem preocupação com agradar ou desagradar!

A verdade é uma terra sem donos, sem contratos de propriedade, sem posse! A verdade não está nas instituições, nos currículos, nos discursos, na aparência!

A verdade só pode estar na sinceridade. Sem que o sujeito de conhecimento parta de sua própria verdade, de sua própria sinceridade, de sua própria honestidade, como poderia ele conhecer?

A falsidade se tornou o cerne da sociedade normal. A hipocrisia se mostra como a mais alta moralidade que podemos ter nesta sociedade.

A normalidade doente, os normais perturbados, os normais aprisionados pela fachada, pelos desejos perturbados, pela vida fútil e pelo sonho!

Pois que, pela sinceridade se para de sonhar! A sinceridade é o mesmo que acordar! A correspondência entre o sujeito e o objeto só é possível por um laço sincero, honesto, por uma ligação limpa.

Ciência se faz com liberdade.

Ciência se faz com ampla liberdade de expressão, longe mas muito longe da falsidade e da mesquinharia dos ganhos temporários de uma sociedade que normaliza a perturbação ética como sinal de neurotipia.

Ética só existe quando se é sincero. E sinceridade só pode existir quando se ama. Sem amor não existe sinceridade. E sem amor não existe discernimento. E sem discernimento não existe clareza. E sem clareza não existe verdade. E sem verdade só existe sonho. E onde só existe sonho, só existe sofrimento.

0 comentários:

Postar um comentário

Caro(a) leitor(a), seu comentário é bem vindo!